''Estado'' lança livro sobre censura imposta ao jornal

Será lançado na segunda-feira o livro-reportagem Mordaça no Estadão, com um relato da censura no jornal e a reprodução de dezenas de páginas com textos, fotos e charges vetadas pela ditadura. Autor da obra, o jornalista José Maria Mayrink ouviu mais de 40 personagens, a maioria profissionais do Estado ou do Jornal da Tarde, que testemunharam as proibições após o AI-5, de 13 de dezembro de 1968.A censura no Estado começou dia 13, quando a edição foi apreendida. O general Sílvio Andrade não gostou do editorial Instituições em frangalhos, no qual o então diretor do jornal, Julio de Mesquita Filho, denunciava arbitrariedade e criticava o presidente Costa e Silva. O Jornal da Tarde também foi apreendido. Como o Estado resistia à censura, a ditadura colocou censores no prédio. Em maio de 1973, proibido de noticiar a demissão do ministro da Agricultura, Cirne Lima, o Estado, em protesto, trocou a foto censurada pelo anúncio de um programa da Rádio Eldorado, Agora é samba. Publicou depois trechos de Os Lusíadas. No JT, o diretor Ruy Mesquita publicou receitas de bolos.O livro, de 216 páginas, será lançado na Livraria Cultura do Conjunto Nacional (Av. Paulista, 2.073), às 19 horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.