Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

‘Estado’ é premiado como Mídia do Ano em evento da Aberje

Diretor-presidente da Associação Brasileira de Comunicação Empresarial destaca a transformação digital feita pelo jornal

Redação, O Estado de S.Paulo

25 de novembro de 2019 | 22h25

O Estado foi premiado nesta segunda-feira, 25, em São Paulo, como Mídia do Ano, na categoria Jornal, na 45.ª edição do Prêmio Aberje, organizado pela Associação Brasileira de Comunicação Empresarial. Na cerimônia de premiação, o diretor-presidente da entidade, Paulo Nassar, destacou a “responsabilidade histórica” do Estado nos 144 anos de trajetória do jornal.

“O jornal tem mostrado ao longo desse tempo uma responsabilidade histórica, buscando fazer com que a sociedade tenha responsabilidade política, cívica e comercial, e não só das empresas, mas no aspecto de governança do Estado”, afirmou Nassar. “Mais do que isso, é um jornal que, na sua origem, luta pela República e continua, na sua história, procurando fazer com que a sociedade entenda o que é ser republicano.”

O Estado deu início a sua transformação digital, de forma a direcionar a produção jornalística nos meios digitais, sem perder a qualidade da edição impressa. “Os conteúdos fazem parte da genética do Estadão, mas o salto está na medida em que o jornal entendeu que, se ele se mantivesse apenas em sua forma tradicional, não alcançaria hoje isso que a gente chama de cultura digital, em que a maioria das pessoas está mergulhada em novos rituais ligados ao consumo da informação”, disse o diretor-presidente da entidade. Para Nassar, o jornal incorporou também novos rituais de produção e de circulação da informação.

O editor executivo do Estado João Gabriel de Lima citou Martin Baron editor do jornal americano Washington Post: “Na migração digital, você não sabe quem é programador, quem é jornalista, quem é designer, quem é de mídias sociais, quem é de marketing”.

Já o editor executivo David Friedlander ressaltou a importância do trabalho jornalístico para a sociedade.“Estamos trabalhando para fortalecer o jornalismo profissional e de qualidade, que é importante para toda a sociedade”, disse.

A Aberje, organização profissional e científica sem fins lucrativos e apartidária, é composta pelas diretorias de comunicação e de relacionamentos – governamental, com mercado financeiro, e com a imprensa – das 500 maiores empresas que atuam no Brasil, de todos os segmentos econômicos.

“É uma comunidade muito forte que tem a preocupação de olhar a comunicação como o elemento mais importante do que a gente chama de relacionamentos. Se você tem uma má comunicação, você tem maus relacionamentos”, disse Nassar.

De acordo com ele, as relações públicas são apenas um dos enfoque da associação, que está preocupada com a quantidade de desinformação que está sendo veiculada atualmente. “A manipulação da informação é uma preocupação muito grande nossa. Quando a gente pensa na desinformação, nós estamos falando de fake news, por exemplo, e na deturpação das palavras”, disse. “Não é por acaso que eu lembro a afirmação irônica do George Orwell, que comenta exatamente a deformação do sentido das palavras: ‘Guerra é paz, liberdade é escravidão, ignorância é força’.”

Vencedores. Além do Estado, o Jornal Nacional, da Rede Globo, ganhou na categoria de melhor programa de televisão, a editoria de Podcasts da Folha de S.Paulo venceu a categoria de novas mídias.

As empresas Santander, Valor e O Globo ganharam na categoria de melhor branded content e o veículo de nicho Meio e Mensagem ficou com a categoria de mídias especializadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.