Estado de Evandro permanece inalterado

O quadro neurológico do jurista Evandro Lins e Silva, de 90 anos, permaneceu inalterado hoje. Ele continua internado, em coma, no CTI da clínica São Vicente, na Gávea, zona Sul do Ripo de Janeiro, devido a uma queda no Aeroporto Santos Dumont. O acidente ocorreu na noite de quinta-feira e causou fratura do crânio. No sábado, o boletim médico indicara piora no estado de saúde do jurista. Uma tomografia computadorizada revelou novos pontos de hemorragia no cérebro do paciente.O neurocirurgião Paulo Niemeyer Filho - que ao lado do clínico Emílio Francischetti assina os boletins médicos - disse haver "pouca esperança" de recuperação para Lins e Silva. "Ele está muito grave e houve essa piora. Isso torna a situação mais difícil. Ele está em coma, já tem 90 anos, acho que é uma situação de pouca esperança", afirmou o médico.Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) aposentado compulsoriamente pela ditadura militar em 1969, o jurista ocupa a cadeira número um da Academia Brasileira de Letras (ABL) e voltava de Brasília quando sofreu a queda. Na capital federal, havia sido recebido pelo presidente Fernando Henrique Cardoso, que o empossara como membro do Conselho da República.Lins e Silva tropeçou no canteiro que divide a pista, quando atravessava a rua em frente ao Santos Dumont, em direção à Praça Senador Salgado Filho. Na mesma noite foi operado no Hospital Municipal Souza Aguiar. Na madrugada de sexta, foi transferido para a São Vicente, onde sofreu nova cirurgia.Niemeyer Filho é o médico que operou o cantor e compositor Herbert Vianna, depois da queda do ultraleve pilotado pelo músico, ocorrida em fevereiro do ano passado. Herbert ficou paraplégico e perdeu a mulher, a inglesa Lucy, de 36 anos. Apesar da paralisia dos membros inferiores, voltou a se apresentar com seu grupo, os Paralamas do Sucesso, cantando e tocando guitarra em cadeira de rodas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.