Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

‘Estadão’ promove debate sobre rumos da democracia no Brasil; acompanhe

Evento em parceria com Fundação FHC é resultado da série de reportagens que mostrou o desgaste de sistemas democráticos

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de agosto de 2021 | 05h00

O Estadão e a Fundação Fernando Henrique Cardoso promovem nesta quarta-feira, 1º, um debate sobre os rumos da democracia no Brasil. O evento é resultado da série de reportagens Democracia em Erosão, que abordou a crise de sistemas democráticos em 11 países de três continentes. Nesta primeira edição, analistas vão se debruçar sobre o desgaste institucional no País e discutir alternativas. Na semana que vem, o seminário terá como foco democracias em corrosão na América Latina. 

O evento pode ser acompanhado, ao vivo, no vídeo abaixo:

Participam do debate os cientistas políticos Jairo Nicolau, do Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea da Fundação Getúlio Vargas (Cpdoc-FGV); Magna Inácio, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG); e Carlos Pereira, do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da FGV. A mediação será feita pela colunista do Estadão Eliane Cantanhêde e pelo diretor da Fundação FHC, Sergio Fausto. Qualquer pessoa interessada pode acompanhar virtualmente o debate, que ocorre nesta quarta-feira, 1º, a partir das 14h. Acompanhe a transmissão nas plataformas do Estadão ou nos canais da Fundação FHC, com inscrições  aqui. Perguntas podem ser enviadas para o e-mail: aovivo@fundacaofhc.org.br

O debate ocorre em meio à crise na Praça dos Três Poderes, com embates entre o presidente Jair Bolsonaro e o Judiciário. Também se dá enquanto o Legislativo discute propostas de reforma política – o Senado analisa o retorno das coligações proporcionais, que dificulta a redução de legendas; na Câmara, estão em discussão um novo Código Eleitoral e uma alteração do regime de governo para o semipresidencialismo. 

Na avaliação da professora Magna Inácio, o excesso de poderes do presidente da República e a grande quantidade de partidos estão no topo da lista de problemas do Brasil atualmente. “O problema de fundo que nós temos é esse custo muito elevado de se formar maiorias políticas, num ambiente de muita fragmentação e de muito artificialismo na criação dos partidos”, disse a cientista política.

Jairo Nicolau também tem alertado para os problemas que a reforma eleitoral em discussão pode trazer. Em recente entrevista ao Estadão, ele descreveu o fim das coligações proporcionais – que o Congresso agora discute revogar – como “o melhor dos mundos”. Carlos Pereira, que também é colunista do Estadão, se mostra contrário a “soluções milagrosas”, como ele define a proposta do semipresidencialismo. 

‘Recessão democrática’. Com foco no atual cenário político, o debate deve também abordar as origens das crises políticas desde a redemocratização. Sérgio Fausto lembrou que, sob a Constituição de 1988, já houve dois impeachments antes que a Nova República chegasse ao que ele chama de “recessão democrática”. Segundo ele, a intenção do evento não é sugerir soluções definitivas. “Isso não existe, mas podemos avaliar em que medida mudanças na legislação político-eleitoral e eventualmente no sistema de governo podem, ou não, ser uma resposta à crise que é muito grave.”

Mais informações:

  • Quem pode participar: o evento é gratuito e aberto ao público;
  • Como posso me inscrever: clique aqui;
  • Qual a data e horário: Quarta-feira, 1º, às 14h; e
  • Por onde posso enviar perguntas: via e-mail aovivo@fundacaofhc.org.br

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.