Divulgação
Divulgação

'Está doendo até agora', diz petista que votou por manter Delcídio preso

Segundo Paulo Paim , diante das evidências reveladas pela documentação encaminhada pelo Supremo ao Senado, 'não tinha alternativa' se não a manutenção da pena do colega de bancada

Ricardo Brito, O Estado de S.Paulo

26 Novembro 2015 | 15h58

BRASÍLIA - Em troca de mensagens por um aplicativo de telefone, os senadores petistas Paulo Paim (RS) e Walter Pinheiro (BA) mostraram-se consternados mesmo depois de terem votado pela manutenção do colega de partido e líder do governo no Senado, Delcídio Amaral (MS), preso após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). Paim e Pinheiro foram os únicos da bancada que contrariaram a orientação da bancada e defenderam que Delcídio deveria permanecer em detenção preventiva durante votação ontem à noite no plenário do Senado.

"Foi duro, mas foi acertada a nossa posição", disse Walter. "De fato, está doendo até agora", respondeu Paim, ao acrescentar à mensagem um coração partido. Por 59 votos a favor, 13 contra e uma abstenção, os senadores entenderam numa votação aberta que Delcídio tem de permanecer preso. Ele é suspeito de tentar evitar que o ex-diretor da Petrobrás Nestor Cerveró o implicasse numa delação premiada da Operação Lava Jato.

Nesta quinta-feira, 26, Paim disse que, diante das evidências reveladas pela documentação encaminhada pelo Supremo ao Senado, "não tinha alternativa" se não a manutenção da pena do colega de bancada. "Ninguém aqui contestou o dossiê, infelizmente é lamentável o documento que chegou aqui, ficamos constrangidos e perplexos", disse o senador, ao destacar que a Casa não queria criar obstáculos para que o Supremo realizasse as investigações.

Paim, que também defendeu a votação aberta para decidir o futuro do colega, definiu o clima no Senado como de "tristeza e constrangimento". Um dos raros senadores na Casa hoje, o senador sugeriu que Delcídio se licencie por 120 dias do mandato de senador para se defender. "Por mais duro que a gente seja numa hora dessas, é legítimo o direito dele de defesa", disse.

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), ainda não apareceu na Casa nesta quinta e está em conversas com aliados para discutir o que fazer com o caso envolvendo o petista - ele poderia mandar, por conta própria, um pedido para o Conselho de Ética, como acaba de sugerir o PSDB.

Desfiliação. Paim disse que pedirá até o final do ano a desfiliação do PT, mas afirmou que só vai decidir um novo partido em 2016. Disse que o caso envolvendo Delcídio não influenciou sua decisão.

Um ex-petista, o senador Cristovam Buarque (PDT-DF), também votou pela manutenção da prisão do colega e, sobre o espírito da Casa disse que "não é bom, mas é um sensação de dever cumprido". Ele defendeu que o Senado aprecie logo o futuro de Delcídio. "Acho que está claro que ali houve um grave ato de quebra de decoro".

Cristovam acredita, contudo, ser difícil resolver o caso até o fim deste ano e teme que a demora possa favorecer Delcídio. "Vai passar o Natal, o Carnaval, espero que não termine esmorecendo o sentimento", disse. "A gente tem que fazer o mais rápido possível, respeitando os ritos".

Em discurso no plenário, a senadora Ana Amélia (PP-RS), que também votou por manter o colega preso, ressaltou a força das instituições, numa comparação com a Venezuela. "Nós tivemos ontem uma sessão histórica, podemos ir para a casa com a certeza do dever cumprido e que contribuímos com o nosso voto para que as instituições saíssem fortalecidas, especialmente o Senado da República", destacou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.