Está difícil chegar a um acordo sobre relatório, diz Serraglio

O relator da CPI dos Correios, deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR), afirmou nesta terça-feira que está "difícil a construção de um acordo" com a base governista sobre o relatório final porque o voto em separado apresentado pelo PT está muito diferente do que foi constatado por ele nas investigações. Serraglio afirmou que não gostou do fato de o PT ter produzido alterações sem indicar em que parte do relatório original estavam sendo feitas, além de terem sido suprimidas mais de 700 páginas. Segundo ele, esse procedimento cria dificuldades na avaliação do voto em separado. Ao ser questionado sobre a possibilidade de o relatório paralelo do PT conter armadilhas, Serraglio respondeu: "Espero que não."Embora avalie que está difícil construir um acordo com a base governista, o relator da CPI dos Correios afirmou que considera que isso não é totalmente impossível. "Mas é preciso sentar para discutir." Serraglio disse não aceitar a retirada da palavra mensalão no relatório. Também não aceita mudanças na parte da responsabilização da Visanet como uma das fontes de abastecimento do esquema do chamado valerioduto.Ele disse, porém, que tem disposição de negociar os indiciamentos mas adiantou que neste grupo não aceita retirar o nome do ex-ministro José Dirceu. "Isso seria negar o mensalão", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.