Renê Moreira/Estadão
Renê Moreira/Estadão

'Está dada a largada', diz Aécio em MG

No Triângulo Mineiro, tucano afirma que pesquisas apontam que mais de 60% querem trocar a presidente

Rene Moreira - Especial para o Estadão,

28 de outubro de 2013 | 21h01

Uberlância (MG) - Em encontro realizado na tarde desta segunda-feira (28) em Uberlândia, no Triângulo Mineiro, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) disse que está dada a largada na disputa pelo Palácio do Planalto. Falando a simpatizantes, prefeitos, vereadores e outras autoridades, o tucano afirmou que as pesquisas apontam que mais de 60% da população quer trocar a presidente. "E estamos prontos, vamos à luta", disse sob aplausos dos correligionários.

O evento contou ainda com deputados do PSDB e partidos aliados, além do governador Antonio Anastasia e do ex-ministro Pimenta da Veiga, apontado como provável candidato tucano ao governo de Minas Gerais. O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, provável candidato do PT ao governo de Minas, também estaria em Uberlândia nesta segunda (28), mas adiou sua presença para esta terça (29).

Questionado pelo Estado sobre esta mudança na agenda do ministro e se isso teria relação com a disputa política, Aécio Neves respondeu: "Tem que perguntar isso para ele, nossa agenda já estava marcada". Em seguida completou argumentando que "é legítimo que ele venha aqui também". Mas fez a ressalva: "Nos tempos do PSDB, Uberlândia avançava muito mais que nos tempos do PT".

O encontro tucano foi em um salão de festas que ficou lotado e tomado por faixas de apoio. Além de mensagens dos diretórios do PSDB em Minas, havia faixas expressando apoio de partidos como PPS, PR, PP e PTB. A empolgação do público motivou discursos em ritmo de campanha, como o de Pimenta da Veiga . "O Palácio do Planalto virou as costas para Minas. A dona do poder age com arrogância e prepotência", afirmou.

O governador Antonio Anastasia aproveitou o embalo e citou Itamar Franco e Tancredo Neves para defender o voto em Aécio para a presidência. Falou que nenhum desses dois conseguiu fazer um mandato completo, já que o primeiro morreu antes de assumir e o segundo pegou o governo pelo meio. Por isso, segundo ele, chegou a hora de se ter um presidente mineiro por um período completo.

Aécio discursou como candidato e em tom de campanha. "Nós queremos dar fim a esse ciclo de governo que tanto mal está fazendo ao Brasil". Na sequência garantiu que escolheu o Triângulo Mineiro para iniciar essas conversas com partidários e representantes da população porque "o que se diz aqui ecoa no Brasil". Mais tarde, perguntado por jornalistas se haverá outros encontros do tipo em estados como São Paulo, garantiu que é provável. "Estamos chamando o Brasil pra conversar, através dos setores da sociedade".

Sobre as pesquisas que dão vantagem a Dilma Rousseff na corrida pela presidência, ele citou o governador Anastasia. "Ele tinha 3% das intenções de voto a um ano da disputa e ganhou". Depois voltou a falar que a presidente não seria a preferida de 60% da população. "E isso mesmo ela tendo uma mídia avassaladora diária. O que vamos ter nessa eleição é o sentimento de mudança", finalizou.

Mais conteúdo sobre:
AécioPSDBeleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.