?Essas coisas? podem acontecer em qualquer governo, diz Alencar

O vice-presidente José Alencar defendeu o comportamento do presidente Luiz Inácio Lula da Silva no caso Waldomiro Diniz e disse que "essas coisas" podem acontecer em qualquer administração, numa referência ao pedido de propina feito pelo ex-subchefe de Assuntos Parlamentares da Casa Civil ao bicheiro goiano Carlinhos Cachoeira. Seguindo a estratégia do governo de repetir à exaustão que as irregularidades cometidas por Waldomiro ocorreram em 2002, portanto antes da gestão Lula, Alencar insistiu em que a denúncia publicada na revista Época não tem nenhuma relação com o presidente. "E posso dizer mais: o presidente Lula prima pela honorabilidde, como todo mundo sabe", afirmou Alencar. "E não é só o Brasil, não; até fora do Brasil", acrescentou. "De modo que essas coisas podem acontecer". Alencar fez essas afirmações após participar, junto com Lula, de almoço oferecido ao presidente do Líbano, general Émile Lahoud, no Palácio Itamaraty. Chamando Waldomiro de "rapaz", o vice -presidente destacou que o governo tomou providências imediatas: demitiu o assessor e abriu inquérito policial. "O presidente deseja que o caso seja investigado, porque a primeira providência que ele adotou foi justamente essa: entregar o assunto ao ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, e à Polícia Federal para uma investigação rigorosa", disse Alencar. "Agora, este caso aconteceu em 2002. Então, não havia ainda o governo do presidente Lula", arrematou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.