Esquerda petista promete resistir à volta de Delúbio

Apesar de já ter angariado apoio em vários grupos no PT, o ex-tesoureiro Delúbio Soares terá de enfrentar resistências na esquerda petista em seu esforço para voltar aos quadros do partido. Se depender de alguns setores da legenda, o pedido de refiliação apresentado por ele nem sequer será incluído na pauta da próxima reunião do Diretório Nacional, em maio. A promessa de levar o assunto a debate foi feita pelo presidente nacional do PT, deputado Ricardo Berzoini (SP). Anteontem, ele recebeu de Delúbio uma carta em que o ex-petista avalia que a pena de expulsão imposta após o escândalo do mensalão foi dura demais diante dos erros cometidos.Representante da corrente Democracia Socialista, o secretário de Formação Política do partido, Joaquim Soriano, avisa que pretende se posicionar contra a análise do pedido. "Este é um assunto que não deve sequer ser discutido. Vou propor que não entre na pauta."A posição será seguida pela corrente Articulação de Esquerda, afirma Angélica Fernandes, também membro do Diretório Nacional. "Isso não deveria voltar à pauta do PT. É um assunto esgotado, que não agrega mais nada."Delúbio, entretanto, terá ajuda em várias alas do PT. Desde o ano passado, ele começou a angariar apoio dentro da corrente Construindo um Novo Brasil, antes conhecida como Campo Majoritário, que o tinha como um de seus integrantes. O grupo tem 42% dos 81 votos no Diretório Nacional. Mas dirigentes reconhecem que nem mesmo nesse grupo a refiliação é consenso.Alguns membros da corrente Novo Rumo para o PT, que reúne petistas ligados à ex-ministra Marta Suplicy e alguns aliados do ex-ministro José Dirceu, também prometem apoiá-lo. "Vou votar pela comutação da pena", diz o líder do PT na Câmara, Cândido Vaccarezza (SP). "Acho que o partido tem de ter tolerância", emenda o deputado Devanir Ribeiro (SP).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.