Esquema de Cachoeira movimentou mais de R$ 80 bi em 10 anos, diz CPI

Volume foi detectado nas quebras de sigilo fiscal e bancário de 75 pessoas físicas e jurídicas

Eugênia Lopes, da Agência Estado

16 de outubro de 2012 | 20h09

BRASÍLIA - Balanço preliminar feito pelo relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Cachoeira, deputado Odair Cunha (PT-MG), aponta movimentação financeira de R$ 84 bilhões, nos últimos dez anos, entre créditos e débitos de envolvidos na organização criminosa comandada pelo contraventor Carlos Augusto Ramos. Esse volume de recursos foi detectado nas quebras de sigilo fiscal e bancário de 75 pessoas físicas e jurídicas. Acordo fechado nesta terça entre governo e oposição estabeleceu a prorrogação dos trabalhos da CPI.

Prevista para terminar dia 4 de novembro, a CPI deverá funcionar até 22 de dezembro, quando começa o recesso do Congresso. A CPI está paralisada há mais de um mês e só voltará a funcionar depois do segundo turno das eleições municipais, no dia 28 de outubro. A ideia é fazer uma reunião administrativa no dia 31 de outubro para definir os próximos passos da Comissão. A tendência é que a CPI use o tempo extra apenas para votar o relatório final, sem fazer novas investigações ou quebras de sigilo.

"Decidimos por unanimidade prorrogar os trabalhos da CPI porque não queríamos contaminar as discussões do relatório final com as eleições", alegou o presidente da CPI, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB). "Não há acordo sobre o prazo adequado para prorrogar a CPI. Só não queria correr o risco de a CPI não conseguir votar o relatório", observou Odair Cunha. "O importante é que a CPI foi prorrogada", afirmou o senador Pedro Taques (PDT-MT).

A estratégia dos governistas e de parte da oposição é prorrogar a CPI, mas sem a aprovação de novas quebras de sigilo bancário e fiscal de empresas que receberam ou enviaram recursos para Delta Construções. Ao todo, 29 empresas teriam feito movimentações vultosas com a empreiteira. Mas dessas, 17 não tiveram seus sigilos abertos pela CPI. Essas quebras poderiam apontar uma nova ramificação do esquema de Cachoeira para São Paulo e o Rio de Janeiro. As investigações até agora se limitaram a Goiás.

Tudo o que sabemos sobre:
CPI Cachoeiraprorrogação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.