Esporte pode ganhar 24 novos cargos comissionados

Sob protestos da oposição, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou hoje a criação de 24 cargos comissionados (DAS) no Ministério do Esporte. O projeto foi aprovado com 12 votos favoráveis e oito contrários, inclusive de senadores da base aliada, como Pedro Taques (PDT-MT), Pedro Simon (PMDB-RS) e Armando Monteiro Neto (PTB-PE), mas ainda precisa passar pelo plenário, antes de seguir à sanção.

ANDREA JUBÉ VIANNA, Agência Estado

30 de novembro de 2011 | 16h24

A criação dos cargos reforça o quadro do Ministério, que acaba de sair de um turbilhão de denúncias, que culminaram na demissão do ex-titular da Pasta, Orlando Silva, e poderá garantir 49 novas vagas ao sucessor, Aldo Rebelo (PCdoB). O jornal O Estado de S. Paulo revelou hoje que Aldo suspendeu a indicação de 25 nomeados por seu antecessor para cargos de confiança na pasta. As duas dezenas e meia de postulantes a cargos DAS aguardavam a publicação das contratações pela Casa Civil.

O relator da matéria, Inácio Arruda (PCdoB-CE) - do partido que comanda a Pasta do Esporte - defendeu a criação dos cargos, sob o argumento de que o Ministério precisa reforçar a estrutura para atender às demandas da Copa do Mundo de 2014 e da Olimpíada de 2016. Em contrapartida, a oposição aproveitou para relembrar a crise nos ministérios, que ainda atinge as pastas do Trabalho e das Cidades.

O líder do DEM, Demóstenes Torres (GO), e Pedro Taques argumentaram que o governo federal já contabiliza milhares de cargos de livre nomeação - cerca de 24 mil - e, portanto, a abertura dessas novas vagas afronta o ajuste fiscal defendido pela gestão Dilma Rousseff. Taques afirmou que o gigantismo da máquina pública torna o País "inadministrável", enquanto Demóstenes declarou que votaria contra "o poleiro" de cargos públicos.

Tudo o que sabemos sobre:
Esportecargos comissionados

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.