'Espionagem a advogado de Dantas é grave', diz Itagiba

Presidente da CPI dos Grampos afirmou que a Operação Satiagraha foi marcada por 'abusos de poder'

Ana Paula Scinocca, de O Estado de S.Paulo

16 de janeiro de 2009 | 18h08

O presidente da CPI dos Grampos, deputado Marcelo Itagiba (PMDB-RJ), classificou como "grave" a espionagem feita pelo delegado da Polícia Federal (PF) Protógenes Queiroz ao advogado do banqueiro Daniel Dantas, como revelou o Estado  na edição desta sexta-feira, 16.     Veja Também:   Confira a cronologia da Operação Satiagraha  As prisões de Daniel Dantas Os alvos da Operação Satiagraha    Itagiba afirmou que a Satiagraha, operação da PF que resultou na prisão temporária de Dantas, foi marcada por "abusos de poder". "O caso é grave pois viola o Estado democrático de direito", lamentou. "O episódio reforça os abusos de poder praticados no decorrer da Satiagraha tanto por parte da Abin quanto do delegado da PF", afirmou.   Na avaliação de Itagiba, a revelação de que Protógenes espionou o advogado de Dantas reforça que "o poder precisa ser controlado". "As pessoas acham que os fins justificam os meios. Os fins não podem justificar os meios. O Estado não pode cometer os mesmos crimes com a justificativa de que está atrás de criminosos."   Apesar da nova informação sobre os métodos utilizados por Protógenes, Itagiba descarta reconvocar o delegado da PF para falar à CPI. "Os fatos já estão aí e a CPI já tirou o véu dos abusos", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.