Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Espetáculo constrangedor

Foi desconcertante assistir a um embaraçado presidente do STF dizer a Bolsonaro, nas entrelinhas, que o presidente da República é ele, não Toffoli

Carlos Melo*, O Estado de S.Paulo

08 de maio de 2020 | 05h00

Fenômeno mundial, a pandemia atinge e agrava a situação econômica em todos países. Estados Nacionais, no entanto, existem para antecipar e mitigar problemas do tipo. Sua ação é inevitável. Naturalmente, empresários de todo o planeta defendem seus interesses e querem soluções rápidas. Mas, em poucos lugares se fez tanto pelo agravamento do quadro quanto no Brasil. Aqui, foi explícito o boicote contra a única forma de abreviar o drama: a política de distanciamento social. A história é sabida, por atos e palavras, o presidente da República piorou a situação com que dizia se incomodar. Foi desserviço à própria economia.

Nesta quinta-feira, Bolsonaro talvez imaginasse atravessar o Rubicão. Mas, o que lhes sobrou foi o ato cênico de uma extravagante marcha pela Praça dos Três Poderes. Triunfo de nada, mais que inútil foi constrangedor. Gesto de enfrentamento? Talvez fosse intenção, mas restará como história do dia em que um presidente da República espontaneamente submeteu seu Poder a outro, como se Dias Toffoli fosse o verdadeiro chefe de Estado.  

Foi desconcertante assistir a um embaraçado presidente do STF dizer a Jair Bolsonaro, nas entrelinhas, que o presidente da República é ele, Jair, não Toffoli; que é tarefa do Executivo, não do Supremo, planejar ações, construir consensos, articular atores políticos e a sociedade – governadores, inclusive. Pois, quereriam mais o que aqueles senhores?

Signo do improviso, a “marcha” talvez se pretendesse “Marcha sobre Roma”, de 1922, mas foi mais um eloquente grito de amadorismo. Espetáculo constrangedor que, ao final, mais pareceu batida em retirada de tropa desorganizada, sem projeto e sem comando. Agradará aos fanáticos de sempre, mas não se comunica com a nação nem apresenta saídas. Existem lugares de onde não há volta.

*Carlos Melo, cientista político. Professor do Insper.

Tudo o que sabemos sobre:
Dias ToffoliJair Bolsonaro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.