DIDA SAMPAIO/ESTADAO
DIDA SAMPAIO/ESTADAO

'Espero que o Congresso possa cumprir com sua missão de ajudar o País', diz Coutinho sobre ajustes

Presidente do BNDES afirma que nova CPMF 'minimiza os impactos' e que, para equilibrar contas e impulsionar crescimento, é preciso 'virar a página e pensar em reformas de médio prazo'

Vinicius Neder , O Estado de S. Paulo

15 de setembro de 2015 | 11h06

RIO DE JANEIRO - O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, afirmou há pouco que, com o pacote fiscal anunciado nesta segunda-feira, o governo propôs uma saída que deve ser ponderada com toda a sociedade. "É muito importante virar a página do ajuste e pensar em reformas de médio prazo", afirmou Coutinho, referindo-se tanto a reformas para equilibrar as contas públicas quanto para impulsionar o crescimento.

Coutinho comentou que a alíquota de 0,2% para a nova CPMF, como proposta pelo governo, "minimiza os impactos" sobre a sociedade e destacou a importância do Congresso, na aprovação das medidas. "Espero que o Congresso possa cumprir com sua missão de ajudar o País", afirmou Coutinho, que falou poucos minutos com a imprensa, ao deixar a abertura da Sessão Especial do Fórum Nacional, promovido no Rio pelo Instituto Nacional de Altos Estudos (Inae), comandado pelo ex-ministro do Planejamento João Paulo dos Reis Velloso.

Segundo a assessoria de Coutinho, o presidente do BNDES tinha pressa para tomar um voo para Brasília. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.