Esperamos que revisão da meta seja mais fácil neste ano, diz Renan

Presidente do Senado lembrou votação do ano passado, que considerou uma 'batalha', e disse esperar que seja diferente neste ano

Ricardo Brito e Isabela Bonfim, O Estado de S. Paulo

09 Novembro 2015 | 17h56

Brasília - O presidente do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), afirmou nesta tarde que espera que a votação em sessão conjunta das duas Casas Legislativas do projeto de lei que revisa a meta fiscal do governo de 2015 "seja diferente" em relação ao que ocorreu no ano passado, classificada por ele como "uma batalha". Ele disse ter falado com a presidente da Comissão Mista de Orçamento (CMO), senadora Rose de Freitas (PMDB-ES), para agilizar a votação no colegiado da alteração da meta para que ela siga para o plenário do Congresso.

A tendência é que a votação da proposta ocorra novamente em dezembro, repetindo o que ocorreu em 2014. "O ano passado, votamos a meta em dezembro também, a redução da meta. Foi uma batalha. Esperamos que a batalha legislativa seja diferente este ano", disse.

Questionado sobre o fato de a meta fiscal de 2015 poder chegar a um déficit de até R$ 119,9 bilhões, Renan defendeu que o orçamento "tem que ser o mais verdadeiro possível". "Esse é um avanço institucional pelo qual verdadeiramente vamos ter que passar", destacou.

Para o presidente do Congresso, é precisar votar as matérias que têm a ver com o orçamento para dar uma sinalização para 2016. "O orçamento deste ano foi votado em março, mas foi uma estratégia para que o Congresso verdadeiramente colaborasse. Precisamos votar este ano (o orçamento de 2016) para sinalizar fortemente com relação a 2016", disse.

Renan citou ainda que é preciso votar o Orçamento de 2016 até o final deste ano. Do contrário, afirmou, não haverá recesso parlamentar. Segundo ele, é preciso votar todas essas matérias orçamentárias, "porque são urgentíssimas e o País espera que elas sejam apreciadas".

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.