Especial: Candidatos nanicos apostam em ideias ousadas para trânsito de SP

Além do já conhecido 'aerotrem', de Levi Fidelix, prefeitáveis sugerem bolsões de estacionamento e ciclovias

Daiene Cardoso e Guilherme Waltenberg

19 de junho de 2012 | 16h09

São Paulo - Entre as ideias mais ousadas para a solução dos problemas do trânsito em São Paulo, figuram as do candidato do PRTB, Levi Fidelix, o "pai do aerotrem". Para ele, a rodoviária do Tietê, o aeroporto de Congonhas e o Ceagesp devem ser retirados de São Paulo pois são "os principais causadores do trânsito". "Tem que mandar esses estabelecimentos para terrenos na periferia, no entorno do Rodoanel, longe do centro expandido", defende.

 

Os caminhões também são apontados como vilões do tráfego por Fidelix. "Entre 8 e 20 horas eles não devem circular na cidade. Têm que ficar em estacionamentos a serem construídos nas rodovias", diz. Ele utiliza raciocínio semelhante para justificar uma proposta que ele mesmo reconhece como "polêmica": barrar carros no centro da cidade entre 8 e 20 horas. O pré-candidato do PCdoB, Netinho de Paula, defende ideia parecida. Ele é o único prefeitável a defender a implantação do pedágio urbano.

 

Os pré-candidatos Flávio D'Urso, do PTB, e Soninha Francine, do PPS, compartilham a ideia de que a cidade precisa de um projeto de reengenharia, que incentive o investimento das empresas nos bairros mais distantes do centro. "Precisamos de bolsões de estacionamento junto às estações de trem e metrô, para que o transporte privado possa dar a sua contribuição àqueles que moram longe das estações", afirma D'Urso. "Você pode integrar as bicicletas aos outros meios de transporte", defende Soninha.

 

Para a pré-candidata do PPS, uma das coisas a serem feitas "no primeiro dia de governo", é a construção de passarelas sobre as grandes avenidas e marginais para ciclistas. "São o melhor transporte para curtas distâncias", defende. Soninha propõe também a criação de ciclovias e ciclo faixas. Esses trajetos, uma vez mapeados, poderiam ser acessados de antemão pela internet ou pelo celular para evitar riscos. "Isso serve para lembrar o ciclista que não precisa ir por esse trajeto (mais perigoso), vai pela paralela."

 

Já o pré-candidato do PSOL, Carlos Gianazzi, prega que a solução para São Paulo é o transporte sobre trilhos. "Assim como toda cidade do porte de São Paulo, tem de aumentar a rede metro-ferroviária, mais metrôs e mais trens, tem de haver uma verdadeira teia de aranha embaixo da cidade."

 

Fiel à sua tradição, Levi Fidelix defende que o aerotrem é a solução definitiva para o trânsito paulistano. "É mais barato e mais rápido de fazer que o metrô", afirma. Ele prega que é possível construir cerca de 10 km do modal por ano. Para Fidelix, os dois projetos de monotrilho que conectam o Aeroporto de Congonhas ao Estádio do Morumbi e o que liga a Vila Prudente à Cidade Tiradentes, são cópias de suas ideias. "Estou achando ótimo porque é o meu projeto sendo executado pelo meu adversário", afirma.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.