Espanha anuncia prisão de quadrilha brasileira de tráfico sexual

Mulheres eram mantidas em regime de 'semi-escravidão', afirma porta-voz da polícia.

Anelise Infante, BBC

30 de outubro de 2007 | 16h35

A polícia da Espanha anunciou a prisão na madrugada desta terça-feira, na cidade de Valência (nordeste do país), de nove membros de uma quadrilha de brasileiros que forçava mulheres a se prostituir.De acordo com a polícia, a quadrilha mantinha um prostíbulo com seis garotas brasileiras na periferia da cidade e vinha sendo investigada há quase cinco meses.As mulheres disseram que, ao desembarcar na Europa, no início do ano, tiveram seus passaportes retidos pelos membros da quadrilha e foram avisadas de que tinham, cada uma, uma dívida de 2,9 mil euros (cerca de R$ 7,3 mil) com eles, relativa aos gastos de viagem. Elas teriam ainda que pagar pela alimentação e hospedagem no país. Segundo um porta-voz da Polícia Nacional da Espanha, as brasileiras viviam "em um regime de semi-escravidão".A polícia havia sido avisada por dois clientes do prostíbulo Diamante que as brasileiras estavam sendo coagidas pelos bandidos.Elas disseram que eram ameaçadas de morte e corriam risco se algum cliente reclamasse do atendimento ou se tentassem fugir.As brasileiras também estariam sendo submetidas a vigilância 24 horas por dias e teriam sido forçadas a consumir drogas com os clientes. Na operação em que a quadrilha foi presa, a polícia também apreendeu 34 gramas de cocaína, facões, documentação de contabilidade, passaportes brasileiros e espanhóis (estes últimos falsos, segundo os policiais), material de informática e 20 mil euros em dinheiro (cerca de R$ 50 mil). Entre os documentos, a polícia afirmou ter encontrado pistas de ligações da quadrilha com gerentes de outros prostíbulos espanhóis.De acordo com a polícia, os chefes da quadrilha eram os brasileiros J.M.T., que já havia sido fichado pelas autoridades na Espanha por tráfico de drogas, o gerente do prostíbulo S.L.M. e a responsável pelo aliciamento das mulheres E.B.D.S.Todos foram acusados de crimes contra os direitos dos cidadãos estrangeiros, tráfico de drogas, prostituição e coação com agravante (ameaças de morte). Já as prostitutas foram acusadas de estar irregularmente na Espanha.A polícia disse que ainda não está claro se as mulheres sabiam ou não que estavam indo para a Espanha para se prostituir.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.