Esfaqueado, ACM Neto está internado e passa bem

O deputado federal Antonio Carlos Magalhães Neto (PFL-BA), de 27 anos, sofreu um atentado no início da tarde desta segunda-feira, na saída de seu escritório político, no bairro da Pituba, em Salvador (BA). Uma mulher identificada como Rita de Cássia Sampaio de Souza, de 45 anos, aproximou-se de ACM Neto, como o deputado é conhecido, e desferiu uma facada em suas costas. O parlamentar estava acompanhado pelo motorista e por um assessor. Segundo boletim médico divulgado no fim da tarde pelo Hospital da Bahia, onde ACM Neto foi internado, o corte foi superficial, na região do omoplata direito, e não atingiu as vias aéreas. Presa momentos depois do ataque, por policiais militares que estavam na região, Rita de Cássia foi conduzida à 16.ª Delegacia (Pituba), onde prestou depoimento. Ela contou ao delegado titular, Wilson Gomes, que procurou o deputado, pela manhã, para cobrar uma promessa que ele teria feito a ela, de liberar seu FGTS junto à Caixa Econômica Federal. De acordo com Gomes, no depoimento, a agressora contou que o benefício está retido há três anos - quando ela teria sido demitida da Secretaria de Saúde de Ipiaú, município a 353 quilômetros de Salvador, onde afirmou morar. Ela disse que, como não foi atendida pelo deputado, ficou nervosa e resolveu praticar a agressão. "Estamos checando a veracidade das informações dadas pela agressora." Segundo o delegado, Rita de Cássia também citou o aumento de mais de 90,7% nos salários dos parlamentares, aprovado pelo Congresso na semana passada, como motivo secundário para o ataque. Além disso, Gomes afirmou que a agressora tinha uma faca e um canivete em seu poder e parecia estar emocionalmente alterada durante o interrogatório. "Se a Justiça entender que é necessário fazer exames psiquiátricos para o julgamento, eles serão feitos." Rita de Cássia foi encaminhada, no fim da tarde, ao Presídio Feminino de Salvador. Ela foi indiciada pelo delegado por tentativa de homicídio qualificado - por não ter dado chance de defesa à vitima. Já o deputado ACM Neto, apesar de estar lúcido e passar bem, segundo o boletim médico, permanece em observação, sem previsão de alta. Ele recebeu a visita de familiares e correligionários durante toda a tarde. Este texto foi ampliado às 20h.

Agencia Estado,

18 Dezembro 2006 | 15h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.