Escutas clandestinas são achadas na Assembleia do PR

Uma varredura realizada na manhã de hoje na Assembleia Legislativa do Paraná descobriu três centrais de escutas clandestinas montadas nos gabinetes do presidente da Casa, deputado Valdir Rossoni (PSDB), e do primeiro secretário, deputado Plauto Miró (DEM). Os equipamentos foram apreendidos pelo Centro de Operações Policiais Especiais (Cope), da Polícia Civil, e encaminhados para perícia técnica da Polícia Científica.

EVANDRO FADEL, Agência Estado

05 de fevereiro de 2011 | 18h25

Por meio da assessoria de comunicação, Rossoni responsabilizou a antiga equipe de segurança por não ter detectado e desmontado o esquema. Os antigos seguranças, que exerciam cargo de confiança, foram exonerados na segunda-feira. Em razão da exoneração, a Polícia Militar ocupou o prédio e passou a fazer a segurança dos deputados e funcionários. "Ou os seguranças foram negligentes no trabalho ou coniventes com o crime", disse o deputado. "Armaram essa estrutura para tentar fazer algo contra nós, veja o grau de bandidagem a que o Paraná chegou."

Segundo o presidente, a varredura foi feita a conselho do chefe do gabinete militar da presidência, tenente-coronel Arildo Luís Dias. "Doa a quem doer, vamos até as últimas consequências com as investigações para apurar todas as irregularidades cometidas na Assembleia", assegurou o presidente. O técnico em dispositivos eletrônicos da empresa de segurança Embrasil, Antônio Carlos Walger, considerou os equipamentos "incomuns" e de "alta tecnologia". De acordo com ele, são israelenses, custando entre R$ 20 mil e R$ 50 mil, e foram instalados recentemente no forro das salas.

Tudo o que sabemos sobre:
escutaclandestinaAssembleiaPR

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.