Escuta da PF liga governador a fraude na Sudam

Um governador de Estado pode estar envolvido com o empresário Geraldo Pinto da Silva, acusado de ser um dos principais líderes do esquema de fraudes na Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (Sudam).Uma escuta telefônica, feita pela Polícia Federal no final do ano passado, gravou um diálogo de Silva e um outro homem, onde o empresário revela, sem citar nomes, que um governador havia prometido arranjar R$ 10 milhões para "resolver o problema", que não é especificado na ligação.A escuta telefônica mostra um homem não identificado questionando Geraldo sobre "o problema do peixe".Entusiasmado o empresário responde: "Eu dobrei todo mundo. Isto é, pedi para pagar depois da liberação. Tinha um acerto também, mas não falo por telefone. Mas vou adiantar, é confidencial. O governador resolveu abrir o bico, ele abriu a guarda, mandou chamar a gente."Em seguida, ainda mostrando contentamento, o empresário completa: "Eu estou em êxtase. Ele havia prometido pra mim. Ele, o governador, disse para mim, pela felicidade dos três filhos que tenho, vou arrumar R$ 10 milhões, não é possível que você não consiga o incentivo e resolva o problema, entende?"Ao dizer que estava resolvendo o problema do "peixe", Silva poderia estar se referindo à empresa Amazonas Ecopeixe S/A, um empreendimento situado em Manacapuru, a 80 quilômetros de Manaus, que está sendo investigado pela Procuradoria da República no Amazonas.A empresa foi instalada para a criação de pirarucu, frigorificação de pescado, entre outras atividades ligadas à piscicultura. No relatório do Ministério da Integração Nacional, a Ecopeixe é considerada "regular", com algumas ressalvas.O Ministério Público Federal também está investigando denúncias feitas pela deputada federal Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), envolvendo registros irregulares de terras.Vanessa também levanta indícios de que um dos sócios da Ecopeixe poderia ter ligações com o governador do Amazonas, Amazonino Mendes (PFL).A suspeita refere-se ao fato de duas empresas ligadas à Ecopeixe prestarem diversos serviços ao Estado e ao município, durante governos de Amazonino.Segundo o procurador da República no Amazonas, Sérgio Lauria, a princípio as investigações feitas estão se relacionam apenas às denúncias de irregularidades no projeto. "Não chegamos ainda às pessoas", informou Lauria.O chefe da Agência de Comunicação do Governo do Amazonas, Jefferson Coronel, informou que Amazonino não tem contatos pessoais com os empresários ligados à Ecopeixe."Há anos o governador não mantém sequer relações de amizade com as pessoas da empresa citada. Toda a vida do governador está registrada em seu Imposto de Renda e em documentos oficiais, não tendo, ele, portanto, nada a acrescentar", disse Coronel em uma nota oficial, acrescentando: "Essa é a enésima vez que a deputada Vanessa e seu marido, também deputado Eron Bezerra (PCdoB-AM), tentam difamar o governador."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.