Escritório de Campos Machado e sede do PTB foram alvos de depredação

O deputado é autor de proposta que alija o poder de investigação dos promotores em SP

Fausto Macedo, O Estado de S.Paulo

24 Junho 2013 | 22h57

Manifestantes atacaram o escritório político do deputado Campos Machado, líder do PTB na Assembleia Legislativa de São Paulo, autor da Proposta de Emenda à Constituição do Estado 001 (PEC 001/13) – que alija os promotores das investigações sobre improbidade. O ataque, segundo o deputado, ocorreu na noite de segunda-feira da semana passada, 17.

Os manifestantes se deslocavam em direção da Avenida Paulista, destaca a assessoria do parlamentar. Danificaram painéis luminosos e ameaçaram invadir o escritório do deputado e também a sede estadual do PTB, que são vizinhas e ficam nas proximidades das Avenidas Brasil e Nove de Julho, Jardins.

É o primeiro caso de ataque a um escritório político em São Paulo desde que tiveram início as manifestações de rua. A equipe de Campos Machado e o PTB registraram boletins de ocorrência na polícia.

O deputado afirmou que “o vandalismo não pode estar presente em manifestações populares”. Segundo ele, "com esse tipo de ação, claramente perpetrada por vândalos, ideais e propósitos ficam denegridos". Para Campos Machado, “as pessoas têm o direito, assegurado pela Constituição, de se expressar livremente sobre quaisquer temas, contribuindo para o fortalecimento da democracia."

Criticado. Presidente estadual e secretário-geral nacional do PTB, Campos Machado tem sido fortemente criticado por promotores de Justiça desde que, em janeiro, propôs a emenda 001, que concentra nas mãos do procurador-geral de Justiça todas as investigações por improbidade contra prefeitos, secretários de Estado e deputados estaduais. A PEC 001 tira o sono dos promotores. Eles não admitem ficar sem o poder de investigar aquelas autoridades.

No último sábado, 22, manifestantes tomaram uma parte da Avenida Paulista para protestar contra a PEC 37, que exclui o Ministério Público das investigações criminais. Os manifestantes também protestaram contra a PEC de Campos Machado. Exibiam cartazes contra a emenda do petebista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.