Filipe Araújo/Estadão
Filipe Araújo/Estadão

Escolha de Bendine vai contra expectativa do mercado, diz analista

Nomeação de um executivo mais ligado ao governo colocaria em risco potencial progresso da empresa, prevê estrategista

Beth Moreira, O Estado de S.Paulo

06 Fevereiro 2015 | 11h33

A indicação de Aldemir Bendine, atual presidente do Banco do Brasil, para substituir Graça Foster na presidência da Petrobrás vai contra as expectativas do mercado, avalia o estrategista da Guide Investimentos, Luis Gustavo Pereira.

Segundo fontes ouvidas pelo Estado, Bendine será o novo presidente da estatal. Além do executivo, o governo decidiu também transferir para a diretoria financeira da Petrobras Ivan de Souza Monteiro, atual vice-presidente de Gestão Financeira e de Relações com Investidores do BB.

Para o estrategista da Guide, a nomeação de um executivo mais ligado ao governo coloca em risco um potencial progresso da empresa, que precisa entregar uma melhora financeira para evitar perder o grau de investimento. "A porta está aberta na Moody's e na Fitch", lembra. "Normal uma reação negativa diante da assimetria entre o que se esperava e o que está sendo divulgado", afirma.

Outro estrategista também considera negativo, lembrando que o mercado esperava um nome sem perfil político e que fosse escolhido pelo Ministro da Fazenda, Joaquim Levy. "A ação subiu mais de 30% em cima dessa expectativa", lembra.

Para o profissional continua agora expectativa em torno do ajuste no balanço e data de quando será divulgado. "Mas aquela expectativa de limpeza do balanço, reconhecimento de todo escândalo e uma nova diretoria com nomes de mercado já começou de forma errada", avalia.

Mais conteúdo sobre:
Petrobrás Aldemir Bendine Graça Foster

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.