Rodrigo Salviano/Estadão
Rodrigo Salviano/Estadão

'Escolas Fake': oposição a Bolsonaro reage ao escândalo do MEC

Parlamentares como Tabata Amaral, Alessandro Molon, Paulo Teixeira e Henrique Fontana criticaram o governo Bolsonaro no Twitter, Facebook e Instagram pelo mais novo escândalo do MEC

Natália Santos, O Estado de S.Paulo

11 de abril de 2022 | 13h22

Integrantes da oposição ao governo de Jair Bolsonaro (PL) criticaram a gestão do presidente após o Estadão divulgar um esquema de “escolas fakes” no Ministério da Educação (MEC). Segundo a reportagem, apesar da falta de recursos para terminar 3,5 mil escolas em construção há anos, a Pasta autorizou obras de outras 2 mil unidades. Ao priorizar novas construções em detrimento das iniciadas, o governo fere leis orçamentárias.  

A reportagem ainda mostrou que o esquema de “escolas fake” tem como base o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), controlado pelo ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, por meio de um apadrinhado. O fundo precisaria ter R$ 5,9 bilhões para tocar todas as novas escolas contratadas. Com o orçamento atual, isso levaria 51 anos.

A deputada federal Tabata Amaral (PSB-SP) classificou o esquema  como “desespero eleitoral”. “O buraco da corrupção no MEC não tem fim e, de novo, quem mais sofre com isso são os estudantes mais pobres. Mais um crime pra conta!”, disse.

Em sua rede social, o deputado federal Alessandro Molon (PSB-RJ) relembrou outras denúncias de corrupção do governo, como o pedido de barras de ouro por um pastor para liberar dinheiro no MEC, o envio de kit robótica para escolas sem água e luz e o esquema de ônibus escolares superfaturados. “O que o governo Bolsonaro está fazendo com o MEC é criminoso!”, disse.

O deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) afirmou que as escolas fakes “são um desrespeito ao povo brasileiro”, que espera mais educação para seus filhos. “Esse dinheiro nunca foi empenhado e as escolas não serão construídas. O MEC virou uma zona livre para farra com o dinheiro público e isto é muito triste”, declarou.

A abertura de uma CPI para investigar as irregularidades foi defendida pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e pelos deputados federais Henrique Fontana (PT - RS) e Natália Bonavides (PT-RN). 

Randolfe tem coletado assinaturas no Senado para a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito com o intuito de investigar denúncias de corrupção no Ministério da Educação. Em entrevista à Rádio Eldorado nesta segunda-feira, 11, o senador afirmou que pretende alcançar 29 assinaturas até a quarta-feira desta semana.  

Para a deputada estadual Teresa Leitão (PT), o esquema divulgado pelo Estadão é “puro estelionato eleitoreiro, dinheiro da Educação jogado fora e irresponsabilidade completa”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.