Escola no Amapá investe na harmonia com a floresta

Neucirene Freitas Santana tem 15 anos, está na sétima série e sonha ser professora. Esse projeto de vida comum e realizável era completamente impensável há quatro anos para a grande maioria das crianças nascidas no Arquipélago do Bailique, um conjunto de oito ilhas a 185 quilômetros de Macapá, na foz do rio Amazonas. A menina é aluna da Escola Bosque do Bailique, a primeira escola a utilizar uma metodologia socioambiental no Amapá, da pré-escola ao ensino médio e profissionalizante.A escola atende atualmente 680 alunos, em três turnos, mas está sendo ampliada para 900, no início do próximo ano. Até sua inauguração, em 1998, pelo governo do Estado, os cerca de 8500 habitantes, distribuídos em 37 comunidades e distantes 12 horas de barco de Macapá, tinham acesso ao ensino somente até a quarta série do ensino fundamental, nas 24 escolas do arquipélago. "Meu pai não tinha condições de me mandar estudar em Macapá", diz Neucirene, filha de um pescador e uma dona de casa analfabetos, cujos seis filhos mais velhos não terminaram os estudos, oportunidade agora desfrutada pelos quatro mais novos.Cercada pelo rio e pela floresta, a escola causa impacto pelo tamanho e pela arquitetura. Erguida por trabalhadores locais sob palafitas - pois a área é alagadiça durante metade do ano - a Escola Bosque está totalmente inserida na paisagem, com suas construções circulares, em madeira de agilim e maçaranduba e com telhado de palha de buçu, matérias-primas da região. No lugar de vidros, as janelas - e algumas portas e paredes trazem treliças, que colaboram para a ventilação. As mesas e carteiras também são todas confeccionadas no Amapá. Isaac Uchoa /DivulgaçãoArquitetura sobre palafitas está em harmonia com a naturezaA maior inovação, porém, está na filosofia voltada para a valorização do saber local. Na escola, os alunos aprendem a produzir mudas de essências florestais, como cacau e cupuaçu, plantas medicinais e hortaliças, além de criação de frangos, porcos e o manejo do açaí. Pesca e carpintaria naval são temas obrigatórios no currículo, assim como irrigação, usada nos seis meses de seca. Aos sábados, os moradores mais velhos ensinam às crianças suas técnicas tradicionais de pesca e artesanato. Nas aulas de educação física, as atividades são natação, remo ou subida em árvores. Jogar bola, porém, somente é possível no inverno, quando o campo de futebol não está alagado.Mas a integração com mundo moderno também está presente. Segundo Santos, os alunos estão ligados à Internet via satélite. "Estamos trabalhando para que os equipamentos sejam cada vez mais rápidos e eficientes. Para tanto, contamos com o apoio do Prodap (Processamento de Dados do Amapá), através do Projeto Navegar", explica Santos. O Navegar é um barco equipado com modernos equipamentos de informática e multimídia, ligados à Internet, que percorre as ilhas do Bailique dando cursos, fazendo pesquisas e diminuindo a distância entre a população e Macapá e, daí, com o resto do mundo.Segundo o diretor da escola, Leobino Almeida dos Santos, as crianças que moram nas comunidades mais distantes, freqüentam a escola pela manhã, pois os 8 "barcos escolares" que as trazem dependem da maré. "Pelas distâncias, as crianças que moram mais longe levam cerca de 1 hora e meia para chegar, mas dependendo da maré, precisam sair de casa à meia noite e dormir no barco, para poder estar na escola às 7h30 da manhã", explica. As crianças que moram mais perto da escola vão às aulas à tarde e muitos chegam à pé pelos mais de três quilômetros de passarelas que ligam a escola às duas comunidades próximas. O período noturno oferece aulas para jovens e adultos que trabalham. Isaac Uchoa /Divulgação Hotel escola deverá abrir no próximo ano Sustentabilidade - Em seu curto período de existência, a Escola Bosque está movimentando também a vida econômica da comunidade. Além de empregar moradores (somente parte dos professores é de fora), a escola consome merenda fornecida localmente (açaí, camarão, peixe, macaxeira) e deverá oferecer, a partir do próximo ano, cursos profissionalizantes. Os primeiros serão voltados para o ecoturismo, nas áreas de guias e hotelaria. Para tanto, um hotel-escola está sendo construído a cerca de 200 metros da escola, no meio da floresta, com capacidade para cerca de 100 hóspedes. Financiado com recursos federais, estaduais e do Banco Mundial, o hotel é um investimento de R$ 1,5 milhão, cuja obra - também seguindo a arquitetura local - está em pleno vapor."O principal é que os cursos serão decididos junto com a população, que está sendo consultada para saber quais são suas necessidades. Cursos de pesca, enfermagem, computação, eletroeletrônica serão criados conforme a demanda", explica o diretor.A Escola Bosque de Bailique foi realizada com recursos estaduais e custou, na primeira fase, R$ 680 mil. Os dois últimos módulos, que serão inaugurados no próximo ano, custarão R$ 124 mil. Sem contar o salário dos 31 professores, possui um orçamento anual de cerca de R$ 200 mil. O projeto é o primeiro de uma rede projetada de 5 escolas bosque. A maior delas está em construção na Ilha de Santana, próxima a Macapá.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.