Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Escola aberta no fim de semana reduz violência, diz ONU

O programa Escola Aberta, com abertura das escolas nos fins de semana para atividades culturais, sociais e esportivas de alunos e jovens da comunidade, reduziu os índices de violência registrados nos estabelecimentos e melhorou o aproveitamento escolar, disse hoje o representante da Unesco no Brasil, Jorge Werthein.Em Pernambuco e no Rio de Janeiro, primeiros Estados a adotarem o programa recomendado pela Unesco (braço da Organização das Nações Unidas para a Cultura), o índice de redução de criminalidade em relação a escolas que não contam com o programa foi de 60% para as que implantaram o Escola Aberta desde o ano 2000, e de 30% para as que o adotaram no ano passado. O trabalho de avaliação realizado em junho e o relatório final, com todos os dados, deverá ser divulgado em 20 dias.O levantamento da Unesco levou em conta 16 itens de criminalidade registrados nas escolas, como furto, roubo com arma, posse de arma de fogo, homicídio, tráfico de drogas, depredações e pichações. A redução foi mais significativa nos atos de violência que têm maior correlação com a escola. Práticas violentas mais pesadas e vinculadas a problemas estruturais que independem do estabelecimento, a exemplo de tráfico de entorpecentes, tiveram diminuição menos expressiva.Werthein destacou a importância do Escola Aberta como estratégia de caráter preventivo, que exige pouco investimento e traz muitos benefícios. Ele afirmou que no programa o custo de um jovem é de R$ 1,00 por mês enquanto um menor infrator atendido pela Fundação de Amparo ao Adolescente (Fundac) representa um gasto mensal de R$ 1,5 mil.A maior redução da violência observada nos locais onde o programa tem mais tempo de existência, mostra, segundo ele, que os resultados vão se tornando melhores a longo prazo, com a incorporação do programa pela comunidade.Em Pernambuco, 285 escolas de 14 municípios da Região Metropolitana do Recife têm o Escola Aberta, cada uma delas atendendo a cerca de 250 jovens por semana. As escolas selecionadas foram as com maior ocorrência de violência, frequentadas por jovens excluídos socialmente. Do total de escolas, 150 são estaduais e o restante municipais.O programa tem 300 coordenadores (com remuneração de R$ 180,00) e 200 dinamizadores (R$ 150,00 mensais) e deverá se expandir. O Escola Aberta foi implantado simultaneamente no Brasil, México e Argentina em 2000, mas somente o Brasil, até agora, teve avaliação da experiência.O resultado positivo será levado como exemplo a ser seguido por países africanos em uma reunião da Unesco com os ministros de Educação dos países daquele continente prevista para se realizar em dezembro na Tanzânia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.