Escanteada, seção paulista da OAB jogou pá de cal em chapa única

OAB-SP ficou de fora da diretoria proposta por Furtado Coêlho e vitaminou chapa alternativa

Bruno Lupion, de O Estado de S. Paulo,

24 de janeiro de 2013 | 22h54

SÃO PAULO - O modelo de eleição por chapa única, em vigor há quinze anos nas eleições para o Conselho Federal da OAB, foi implodido neste ano pela insatisfação da OAB-SP, que congrega um terço dos advogados do País, mas ficou de fora da diretoria proposta pelo candidato Marcus Vinicius Furtado Coêlho.

Coêlho fez ao longo do ano passado um périplo pelo País em busca de apoio das seções. Em São Paulo, obteve o respaldo do então presidente local da entidade, Luiz Flávio Borges D’Urso, em troca do compromisso de nomear um paulista para a vice-presidência da sua chapa nacional. Tradicionalmente, cada um dos cinco cargos do Conselho Federal é destinado a representantes das cinco regiões do País.

Em dezembro, Coêlho inscreveu a sua chapa sem nenhum nome de São Paulo. No lugar, indicou um advogado carioca, Cláudio Pereira de Souza Neto, para a secretaria-geral. O Rio está há 15 anos sem integrar a direção da OAB.

Além de São Paulo, Coêlho também havia prometido vagas para o Distrito Federal e para o Acre, mas nenhum dos dois Estados foi contemplado. A insatisfação das três seções se reverteu em apoio a Alberto de Paula Machado, atual vice-presidente do Conselho Federal que vinha costurando uma chapa alternativa com o apoio de Goiás, Roraima e Paraná.

Ao inscrever sua chapa, Coêlho contabilizava o apoio de 21 seccionais. As outras seis se uniram em torno de Machado. A vantagem numérica, porém, não representa uma vitória automática. Cada seccional tem três conselheiros federais, totalizando 81 votantes, que podem escolher quem quiserem, em sufrágio secreto. Coêlho e Machado disputam palmo a palmo o voto desses conselheiros.

Tudo o que sabemos sobre:
OAB

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.