Escândalo no Senado é ''histórico'', diz Lula

Ele afirma que desgaste é para quem elegeu Sarney presidente da Casa

Eduardo Kattah, O Estadao de S.Paulo

01 de agosto de 2009 | 00h00

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse ontem que as denúncias que recaem sobre o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), são "uma coisa histórica" na Casa - ou seja, as irregularidades não estão restritas ao senador aliado. Depois de ter atenuado a defesa do presidente do Congresso, na véspera, ao afirmar que esse não é um problema seu, Lula foi perguntado, em entrevista à rádio mineira Itatiaia, ao desembarcar em Belo Horizonte, sobre as sucessivas declarações que vinha fazendo em apoio ao parlamentar e aliado.O presidente argumentou que somente os senadores devem ser cobrados pela opinião pública, já que foram eles que elegeram o peemedebista para comandar a Casa.O repórter relatou que vinha sendo abordado nas ruas por populares, que não entendiam, pela história de Lula, a defesa do presidente do Senado, envolvido em tantos "escândalos". "É o meu senso de justiça. Eu não quero para mim, eu não quero para o presidente Sarney, eu não quero para você e para nenhum brasileiro o julgamento precipitado, sem que haja as investigações corretas", justificou Lula."O presidente Sarney está sendo acusado de muitas coisas, ou seja, de ato secreto, contratação de pessoas, e dá a impressão de que é apenas o presidente Sarney. Dá a impressão de que é uma coisa que começou ontem. Isso é uma coisa histórica no Senado brasileiro."AFASTAMENTOO presidente atribuiu à Casa a responsabilidade por um eventual afastamento de Sarney. "Quem foi que elegeu o presidente Sarney presidente do Senado? Os senadores. Somente os senadores é que têm o direito de encontrar o jeito de fazer a investigação e de afastá-lo, se entenderem que devem afastá-lo", ressaltou."O Senado tem instrumentos de investigação, tem Conselho de Ética. O Senado já cassou o Antônio Carlos Magalhães, o Senado já cassou o Jader Barbalho, o Senado já cassou o (José Roberto) Arruda, o Congresso já cassou o (ex-presidente, Fernando) Collor." Na verdade, esses ex-senadores, quando acuados por escândalos, renunciaram aos seus mandatos para preservar os direitos políticos. Embora tenha adotado novo discurso em relação às denúncias contra Sarney, evitando uma defesa veemente, o presidente avaliou que o senador vem tomando providências em relação às acusações e irregularidades. "O Sarney pediu à PF para investigar seu filho. Vai ser investigado. Pediu para investigar seu neto. Eu acho que temos de ter a paciência de fazer com que as investigações sejam corretas."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.