Estadão
Estadão

Caso Petrobrás concorre a 'prêmio' de maior escândalo de corrupção do mundo

A partir desta quarta-feira, 9, a entidade Transparência Internacional - que serve de referência ao combate à corrupção no mundo - abre uma votação para escolher o caso mais simbólico

Jamil Chade, correspondente, O Estado de S.Paulo

09 de dezembro de 2015 | 07h49

Atualizada às 19h20

Genebra - O esquema de corrupção na Petrobrás revelado pela Operação Lava Jato no ano passado concorre a um prêmio internacional : a do maior escândalo de corrupção do mundo. A partir desta quarta-feira, 9, a entidade Transparência Internacional - que serve de referência ao combate à corrupção no mundo - abre uma votação para escolher o caso mais simbólico.

A votação vai até o dia 9 de fevereiro. Mas a concorrência é forte. Na corrida está o caso do Banco Espírito Santo, de Portugal, Zine Al Abidine Ben Ali, o ex-presidente da Tunísia, a Fifa, o ex-presidente do Panamá, Ricardo Martinelli, o ex-líder do Egito, Hosni Mubarak, o comércio de pedras preciosas em Myanmar, a situação de Teodoro Obiang ou o ucraniano Viktor Yanukovych. 

Alguns dos demais casos também contam com a ampla participação de brasileiros. Na Fifa, diversos brasileiros foram indiciados ou estão sendo investigados pela Justiça dos EUA :  Ricardo Teixeira, José Maria Marin, Marco Polo Del Nero e João Havelange. 

No caso do Panamá, a suspeita é do envolvimento da Odebrecht no pagamento de propinas. Em nota, a assessoria da empresa informou que "todos os processos de licitação nos quais participou, assim como a execução dos respectivos contratos e a sua conduta nesses procedimentos, cumpriram integralmente com o disposto nas normas legais panamenhas”‎.

A votação faz parte de uma campanha " Desmascarar a Corrupção " para alertar para os casos mais simbólicos. " São exemplos de abuso de poder que beneficiam poucos às custas de muitos ", alertou a entidade com sede em Berlim. "Milhões são afetados pelo mundo ", insistiu. 

Ao lançar a campanha, um dos líderes do grupo, Jose Ugaz, apontou que a opinião pública é importante para " parar essa doença ". 

O caso da Petrobrás foi escolhido entre 383 casos propostos para a eleição. Na fase final, apenas 15 foram escolhidos.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.