Escândalo derruba diretores do Hospital Dante Pazzanese

Afastamento temporário de dirigentes foi decidido pelo secretário de Saúde de São Paulo

Bruno Tavares e Marcelo Godoy, O Estadao de S.Paulo

11 de novembro de 2008 | 00h00

O secretário da Saúde de São Paulo, Luiz Roberto Barradas Barata, determinou o afastamento preventivo do cardiologista Leopoldo Soares Piegas da direção técnica do departamento de saúde do Instituto Dante Pazzanese. "Considerando as notícias veiculadas na imprensa, que assinalam supostas irregularidades no Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, apontando para um eventual envolvimento da direção da unidade, determino, no uso de minhas atribuições, o afastamento preventivo." Assim Barradas fez publicar no Diário Oficial o despacho nº 8886/08.Piegas é o primeiro diretor de um grande hospital público de São Paulo afastado por causa das investigações da Operação Parasitas. Deflagrada em 30 de outubro pela Polícia Civil de São Paulo, a operação apura fraudes em centenas de licitações para a compra de remédios e material em 21 hospitais públicos de São Paulo e em 29 prefeituras de quatro Estados. O Estado procurou o médico em sua casa e na Fundação Adib Jatene e recebeu a informação, por meio de seus colegas, de que ele estaria em um congresso nos Estados Unidos.O afastamento para apurar as supostas irregularidades deve ocorrer, segundo o despacho do secretário, sem prejuízo dos vencimentos e durar 60 dias. Além dele, também deixou a direção do hospital Alexandre Bonfim Faria Santos, diretor administrativo do hospital. O Estado tentou encontrá-lo, mas não conseguiu. Apesar do despacho, a assessoria de imprensa da Secretaria de Saúde negou que a saída dos dois tenha relação com a operação.Na semana passada, investigadores da Unidade de Inteligência Policial do Departamento de Polícia Judiciária da Capital (Decap) receberam a denúncia de que funcionários do hospital Dante Pazzanese estariam desviando materiais hospitalares. Uma equipe do Grupo de Operações Especiais (GOE), do Decap, foi enviada na quinta-feira, 6 de novembro, à sede do hospital no Ibirapuera, zona sul de São Paulo. O objetivo era conversar com Santos. A cena foi presenciada por funcionários do hospital.Na sexta-feira, o cardiologista Piegas se reuniu com o corpo médico do hospital e anunciou o seu afastamento, que foi publicado em forma de despacho do secretário no dia seguinte. Piegas chorou e disse que seu nome e o de sua família haviam sido envolvidos injustamente e afirmou a todos que provaria sua inocência.SUSPEITAA suspeita investigada pelos policiais e pelos promotores do Grupo de Atuação Especial e Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público Estadual é de que diretores do hospital transferiram insumos para os depósitos de uma empresa gestora contratada pelo Estado para administrar a logística dos hospitais públicos, o que é proibido por lei. A alegação foi a de que o almoxarifado do hospital estava cheio e não comportava a entrada de novos materiais.A polícia instaurou um novo inquérito para apurar o caso específico do Pazzanese. O hospital também está na mira por causa das supostas fraudes nos pregões eletrônicos para a compra de remédios e materiais. Escutas telefônicas feitas com autorização judicial mostram funcionários e sócios de algumas da 11 empresas investigadas conversando sobre fraudes no hospital. No 27 de maio, por exemplo, às 18h09, um dos suspeitos diz que lhe mostraram uma "lista de fornecedores". "Não é para cotar produtos com a gente, você sabe como esses caras funcionam!!! Tudo isso são ordens do responsável do almoxarifado", diz.O Dante Pazzanese é considerado no meio médico a menina-dos-olhos do governo estadual. A unidade, referência nacional em transplante cardíaco, foi recentemente reformada e reaparelhada. O hospital ganhou quase 15 mil metros quadrados, , ficando com capacidade para fazer 260 mil consultas por mês.Segundo o governo do Estado, o hospital realiza 50 cateterismos por dia, mais do que o Instituto do Coração (Incor). Recentemente, a instituição superou o Incor em número de citações científicas, tornando-se a mais importante unidade de tratamento de doenças cardíacas do País.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.