Escândalo começou com denúncia sobre favores de lobista

A sucessão de escândalos que acabou levando o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) a se licenciar da presidência do Senado teve início em 25 de maio, com a denúncia de que o então presidente do Senado tinha contas pessoais pagas pelo lobista Cláudio Gontijo, da empreiteira Mendes Júnior. Reportagem da revista Veja indicava que Gontijo pagava, em dinheiro vivo, a pensão de uma filha de Renan fora do casamento com a jornalista Mônica Veloso. O aluguel do apartamento de Mônica - que migrou das páginas políticas para a revista Playboy neste mês - também seria pago pelo lobista. Renan negou tudo e se esforçou por provar que tinha condições de custear as despesas. Papéis de sua defesa foram colocados sob xeque, houve uma perícia da Polícia Federal, mas Renan escapou desse primeiro processo, no julgamento em plenário.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.