Escala com hotel de luxo se torna visita de Estado

Parada do avião de Dilma no Catar vira agenda oficial e justifica estada de presidente em suíte de R$ 30 mil por diária

LISANDRA PARAGUASSU / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

12 de novembro de 2014 | 02h01

A presidente Dilma Rousseff terá hoje, em Doha, um encontro com o emir do Catar, xeque Tamim bin Hamad Al Thani, em uma parada técnica que se transformou em visita de Estado. O convite do emir, feito quando a chancelaria do Catar foi informada de que Dilma dormiria na cidade na rota para a cúpula do G-20, na Austrália, permitirá à presidente desfrutar de uma suíte de 720 m², com serviço de mordomo e diária que chega a R$ 30 mil - tudo pago pelo emirado.

Na suíte presidencial, onde devem ficar Dilma e a filha, Paula, podem dormir até sete pessoas. O local tem dois andares, três quartos, três banheiros, sala de jantar com 10 lugares e salas de estar com janelas voltadas para o Golfo Pérsico. Mas a presidente vai aproveitar pouco desse luxo: ela decola para a Austrália às 18h (13h em Brasília).

A visita de Dilma ao Catar deveria ser só uma parada técnica com pernoite - o avião presidencial não tem autonomia para voar mais de 12 horas seguidas. O roteiro desde Brasília inclui paradas nas Ilhas Canárias, onde a presidente acordou ontem, Catar e Cingapura.

Apenas ontem, com Dilma já instalada, o Palácio do Planalto informou que a estada no Catar havia se transformado em visita oficial. Os chefes de Estado vão discutir a situação no Oriente Médio e a oferta brasileira de ajudar o Catar a organizar a Copa de 2022, se a Fifa mantiver o evento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.