ES quer mais rigor nos gastos públicos

O governo do Espírito Santo quer mais rigor no controle do custeio da máquina do estado e pretende reduzir em 20% as despesas. Segundo o secretário estadual de Fazenda, João Luiz Tovar, a meta do governo é conseguir aplicar 5% de seu orçamento em investimentos, o que equivale aproximadamente a R$ 10 milhões. "Atualmente só 3% estão sendo gastos com investimentos, está baixo, podemos melhorar", disse. Entre as medidas que serão anunciadas na semana que vem pelo governador José Ignácio Ferreira estão uma maior economia no consumo de gasolina, no uso de carros e telefones. O secretário de Fazenda, que assumiu a pasta no dia 18 de janeiro, garantiu que não há previsão de corte no pessoal. "Não justifica penalizar mais o funcionário", observou. Tovar, que passou a tarde reunido com o secretariado, explicou que será formada uma comissão de auditores e técnicos para orientar, e também fiscalizar, as ações de Secretarias maiores como Educação, Saúde e Obras. Controle no uso de telefones celulares - a administração estadual tem 300 aparelhos - e uma racionalização da frota de carros são algumas resoluções que serão tomadas. "Os veículos não serão mais usados no fim de semana", afirmou. O secretário disse que está sendo estudada uma forma de se instalar uma mesa de PABX , que possibilitará ligações entre as Secretarias através de ramais internos, evitando assim o gasto com impulsos telefônicos. "Temos também os contratos com de vigilância e segurança", comentou. Para Tovar, a Lei de Responsabilidade Fiscal está fazendo com que os governos modifiquem as sua postura. "A lei é rigorosa e é necessário se encaixar", assinalou. "O administrador público tem que melhorar a qualidade de sua despesa e o Estado tem que trabalhar como se fosse uma holding, com atitudes que consideram o Estado como um todo", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.