Erundina: vaias a Dilma podem estar ligadas à Copa

A deputada federal Luiza Erundina (PSB-SP) disse nesta tarde que as vaias direcionadas à presidente Dilma Rousseff durante a abertura da Copa das Confederações no último sábado, 15, em Brasília, podem estar relacionadas a irritação da população com os gastos para se trazer a Copa do Mundo ao Brasil e a dificuldade do governo federal em equacionar os problemas nas áreas sociais.

DAIENE CARDOSO, Agência Estado

17 Junho 2013 | 19h13

"É um evento que custou caro e as pessoas se questionam sobre os problemas na Saúde, na Educação e o déficit habitacional", comentou. Para a deputada, o governo precisa perceber o sinal de insatisfação que vem da sociedade. Erundina lembrou que em eventos esportivos as pessoas não estão predispostas a discursos políticos. "O futebol mexe com as emoções. A vaia não é coisa tão rara", ponderou.

A deputada propôs na tarde desta segunda-feira que a Câmara crie uma Comissão Externa para mediar o diálogo entre manifestantes do Movimento Passe Livre e governantes para dar uma solução à questão da tarifa e a qualidade no transporte público. "Eles (manifestantes) têm razão, é uma coisa oportuna", afirmou. A pessebista disse na tribuna que a Câmara precisa "acordar" e perceber o movimento político que tomou as ruas do País.

Tarifa zero

Como ex-prefeita de São Paulo, Erundina disse que encaminhou em 1990 um projeto que eliminava a tarifa de ônibus na capital e que o atual prefeito, Fernando Haddad (PT), conhece sua proposta. De acordo com ela, o projeto previa a criação de um Fundo Municipal de Transporte, que seria mantido pela arrecadação do IPTU (assim como acontece com o serviço de coleta de lixo). A deputada contou que não teve apoio do PT para implementar o projeto que, segundo ela, ainda é viável e inspirou o Movimento Passe Livre.

Mais conteúdo sobre:
Dilma varias Erundina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.