Erundina nega crise na campanha e joga culpa no PT

A deputada federal e ex-prefeita de São Paulo Luiza Erundina (PSB) reafirmou sua candidatura à Prefeitura de São Paulo. Ao lado do candidato a vice-prefeito Michel Temer (PMDB), ela assegurou que a coligação PSB/PMDB está "muito sólida" e que juntos os partidos farão uma campanha "modesta, mas vitoriosa". A ex-prefeita negou que tenha sofrido pressões para retirar sua candidatura. E disse também que a ala dissidente de sua legenda está sendo "instrumentalizada pelo PT." Erundina acusou o partido da prefeita Marta Suplicy de ter "tentado comprar delegados do PMDB e de ter comprado delegados do PPS", que recentemente declararam apoio à candidatura petista. "É uma prática (a adotada pelo PT) que atenta contra a democracia e a lisura do processo eleitoral", acusou. "Isso é abuso de poder econômico do PT", continuou. Nos bastidores, circulava a informação de que Erundina poderia retirar sua candidatura por conta de pressões que estaria sofrendo dentro e fora do partido para desistir da disputa. Ontem, dissidentes do PSB se reuniram com o candidato a vice de Marta Suplicy, Rui Falcão (PT), para definir como seria o trabalho do grupo na campanha da prefeita. Erundina esteve reunida na tarde desta quinta-feira com Temer e com o presidente estadual do PMDB, Orestes Quércia. A ex-prefeita de São Paulo admitiu que as duas legendas terão poucos recursos para a campanha. Eles, no entanto, não informaram qual o montante de dinheiro que terão à disposição. "Há dificuldades de arrecadar recursos. Será a campanha do tostão contra do milhão (Marta)", admitiu Quércia. "Será uma campanha sem dinheiro, mas com muita emoção e garra", emendou Erundina. A assessoria de imprensa da candidata Marta Suplicy divulgou nota contestando as acusações feitas por Erundina. A seguir, leia a íntegra da nota: "Coerente com nossa postura ética, a campanha da prefeita Marta Suplicy continuará debatendo idéias, mostrando realizações e discutindo nosso programa para o segundo mandato. Lamentamos, pois, que a candidata Luiza Erundina, rompendo com sua trajetória política anterior, lance mão de calúnias para ganhar espaço na mídia."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.