Erundina justifica aliança com PMDB de Quércia

A candidata da coligação PSB-PMDB à Prefeitura de São Paulo, Luiza Erundina, justificou a aliança com o PMDB do ex-governador Orestes Quércia, argumentando que, se saísse apenas pelo PSB, não teria força política suficiente para concorrer. Erundina ponderou também Quércia se alinha entre os críticos da política econômica do governo federal. "A política e a democracia se fazem com compromissos entre forças políticas, e (o compromisso) não é personalizado. Essa personalização indica vícios e defeitos, e a insuficiências do nosso sistema eleitoral", sustentou a deputada federal e ex-prefeita, durante a entrevista aos jornalistas do Grupo Estado.Ela disse que, caso não fizesse a aliança, não conseguiria nem ao menos discutir suas propostas. "Até porque eu tinha menos de 2 minutos no horário eleitoral, eu sequer teria me apresentado na disputa. É isso o que os meus adversários gostariam que eu tivesse feito, que eu ficasse no PSB, isolada, sem recursos. Aí me sufocavam de uma vez."Questionada sobre a associação entre sua imagem política e a de Quércia, a candidata afirmou que a grande massa da população não tem restrições à aliança. Segundo ela, somente os segmentos mais intelectualizados e mais informados avaliam a aliança. "Mas eu não vejo que o PSB "sangue puro" pudesse me dar alguma viabilidade, até mesmo de me colocar no debate político ou de uma possibilidade de influir no segundo turno", concluiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.