Erundina e Silvio Torres sacam salário na boca-do-caixa

Depois do caso polêmico do deputado Edmar Moreira (sem partido-MG), dois parlamentares paulistas confirmaram ontem também terem recorrido ao saque na boca-do-caixa do valor integral de seus salários. São eles: Silvio Torres (PSDB) e Luiza Erundina (PSB).Por determinação do presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), a prática foi suspensa na terça-feira passada. Agora, todos os deputados receberão seus vencimentos de R$ 16,5 mil mensais em depósito feito diretamente na conta bancária. "Já determinei que não se faça mais isso. A ordem que dei é de que todos os créditos sejam em conta bancária." Torres afirmou que optou pelo saque para evitar que seu salário fosse retido pela Justiça. "Mandaram sequestrar meu dinheiro em função da pendência de uma empresa da qual eu saí há oito anos. Nem era mais sócio quando aconteceu. De qualquer forma, a situação já está regularizada", disse.Erundina explicou que fez a retirada em 2008 por orientação da Mesa Diretora. Ela foi condenada a devolver R$ 320 mil à Prefeitura de São Paulo por causa de um processo na época em que foi prefeita. A deputada conta que, por alguns meses, o salário foi totalmente retirado de sua conta. "Eu fiquei com a conta zerada. Não tinha dinheiro para pagar nem mesmo alimentação", afirmou. No fim do ano, um acordo foi feito e apenas 10% do subsídio passou a ser bloqueado. Segundo ela, o banco foi avisado, mas a situação ainda não foi normalizada.Moreira, que ganhou notoriedade por causa do castelo em Minas avaliado em R$ 25 milhões, que não declarou à Justiça Eleitoral, alegou "motivos pessoais" para fazer os saques.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.