José Patrício/Estadão
José Patrício/Estadão

Erundina é recebida como ilustre em debate de novo partido de ex-marineiros

'O novo é Erundina, é o sonho que nunca envelhece', disse o historiador Célio Turino, um dos idealizadores da nova sigla Avante

ANA FERNANDES, Estadão Conteúdo

16 Janeiro 2015 | 20h25

São Paulo - A deputada federal Luiza Erundina (PSB-SP) foi recebida como visita ilustre na reunião de militantes de um novo projeto político, provisoriamente batizado de Avante, na capital paulista. O projeto envolve pessoas que foram ligadas ao Rede Sustentabilidade, de Marina Silva, como o historiador Célio Turino, o sociólogo Marcelo Soares e o jornalista Emílio Franco Jr., e conta com outros interessados também. O grupo deixou a Rede decepcionado com a decisão de Marina de apoiar o senador Aécio Neves (PSDB) no segundo turno.

Como apresentou Turino, é um partido esquerdista, baseado em conceitos de bem viver, respeito ao bem comum e que trabalha com o conceito do ecossocialismo. Turino relatou às cerca de 100 pessoas presentes que o movimento, nascido há cerca de dois meses, se inspira em partidos como o Podemos da Espanha, horizontal e com círculos autorais, e que se vê como uma opção de segunda via, pois o que existe hoje no Brasil, para ele, é a mesma representação de uma única casta política.

Ao ser anunciada, Erundina foi bastante aplaudida e reverenciada pelo grupo. Turino criticou o sistema político partidário brasileiro, em que partidos são criados para negociar fundo partidário e tempo de televisão. Disse que figuras públicas que de fato servem à população e que mantêm a coerência são cada vez mais raras. "O novo é Erundina, é o sonho que nunca envelhece", disse ao apontar para deputada e ex-prefeita da Capital, na primeira fila da plateia.

Turino defendeu a necessidade da criação do Avante, argumentando estarem corrompidos os partidos existentes dentro do sistema de "castas" políticas e que não buscam mais o bem viver da população. E citou como exemplo a recente indicação de Gabriel Chalita (PMDB) como secretário de Educação na Prefeitura comandada por Fernando Haddad (PT), articulação que nos bastidores diz-se ter sido fechada com vistas em uma parceria para a reeleição de Haddad em 2016. "O secretário de Educação de Erundina foi Paulo Freire. Hoje, por um cálculo eleitoral, entrega-se a secretaria para o Chalita. O sistema corrompe até pessoas bem intencionadas, orientadas, mas que entram numa lógica do sistema que é fatal", disse em referência ao prefeito.

O filósofo e engenheiro Bruno Cava, outro idealizador do Avante, abriu sua fala também com uma reverência a Erundina, dizendo que tinha apenas 9 anos quando ela assumiu a prefeitura, em 1989, mas que vê até hoje a importância de sua gestão. "Temas como o passe livre e o IPTU progressivo eram debatidos dentro do gabinete quando a Erundina era prefeita, hoje são consideradas pautas fundamentalistas", afirmou - a reunião é realizada em um prédio na Avenida Paulista, que recebeu um protesto do Movimento Passe Livre, contra o aumento da tarifa de ônibus de R$ 3 para R$ 3,50.

Apesar das deferências, a deputada disse estar presente para participar da discussão política. Em entrevista ao Broadcast Político, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, na quarta-feira, 14, Erundina afirmou não pensar em deixar o PSB. Erundina falaria ao grupo após a apresentação do espanhol Javier Toret, pesquisador e fundador do partido X.

*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.