Erundina defende saída do PSB do governo Dilma

A deputada federal Luiz Erundina (PSB-SP) defendeu nesta segunda-feira, 23, no Rio, a saída de seu partido do governo da presidente Dilma Rousseff (PT). O PSB anunciou na semana passada a decisão de entregar todos os seus cargos na administração federal, inclusive o Ministérios da Integração Nacional e a Secretaria de Portos.

MARCELO GOMES, Agência Estado

23 de setembro de 2013 | 19h38

"(A entrega dos cargos) é uma medida necessária e natural, já que estamos com uma candidatura posta, embora não oficialmente", afirmou a socialista, referindo-se à possível candidatura à Presidência da República de Eduardo Campos, presidente do PSB e governador de Pernambuco.

Erundina disse ainda que seu partido deve colocar seu projeto de nação em debate com a sociedade. "Eduardo Campos tem experiência administrativa aprovada em duas gestões em Pernambuco, com altos índices de popularidade. Todo partido tem um projeto de poder. Um poder para ser colocado a serviço do povo", ressaltou a parlamentar, após visitar as instalações do 1º Batalhão de Polícia do Exército, na zona norte do Rio, onde funcionou o Destacamento de Operações de Informações Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi), principal centro de tortura durante a ditadura militar. Erundina é autora de um projeto de lei em tramitação no Congresso que pretende rever a Lei de Anistia e permitir que torturados sejam julgados pela Justiça.

Tudo o que sabemos sobre:
PSBsaídagovernoErundina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.