Erundina critica políticas sociais de Marta

A candidata do PSB à prefeitura paulistana, Luiza Erundina, dedicou grande parte de seu discurso hoje a moradores do bairro de Campo Limpo, na zona Sul de São Paulo, a críticas às políticas sociais da atual gestão da prefeita Marta Suplicy. Falando a cerca de 60 pessoas, durante visita a um conjunto habitacional, na periferia da capital, a prefeita não poupou nenhum dos pilares da área social - Transportes, Saúde e Educação. Apesar disso, negou que a atual prefeita da cidade seja o foco de sua campanha. "Os meus focos são a cidade e os problemas da cidade."Erundina iniciou seu discurso reproduzindo o relato de uma moradora da região de que "o CEU (Centro Educacional Unificado) é um inferno". Depois, suavizou o tom. "O CEU é bom, mas falta aperfeiçoamento na parte educacional e falta segurança", afirmou. A candidata disse que na próxima quinta-feira, às 9 horas, tem uma audiência agendada com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, para discutir uma remodelação nos CEUs, a fim de transformá-los em centros educacionais de curso universitário e profissionalizantes - além de ensino fundamental e médio, como já ocorre hoje.Outro ponto que será abordado com o governador será a integração do bilhete único. "Não quero que a passagem valha só para a capital. Quero que envolva toda a região da Grande São Paulo, os 39 municípios, integrando ônibus, metrô e também os trens", declarou, acrescentando que não sabe de onde a prefeitura atual está tirando dinheiro para implantar o bilhete único. "É perigoso este tipo de coisa feita em véspera de eleição. Tenho certeza de que daqui a pouco todo mundo vai estar pagando uma tarifa mais cara, porque o dinheiro tem que sair de algum lugar e vai ser do bolso de vocês."Voltou a alfinetar Marta Suplicy ao falar a questão dos uniformes das escolas. "São bons os uniformes que a prefeita distribui pela cidade, mas somos nós que estamos pagando, quando esses uniformes deveriam estar sendo produzidos não por grandes indústrias, mas por cooperativas e oficinas de costureiras". Disse também que dará continuidade a alguns programas da atual prefeitura, como o Renda Mínima e o Bolsa-Escola, mas que fará modificações. "Quero que as famílias contem com os projetos, mas que também adquiram uma oportunidade de renda, sem se viciar e se acomodar só com a verba que é dada pela prefeitura", sustentou. E emendou: "A prioridade da prefeitura hoje é fazer um túnel na Zona Sul (em referência à obra na Avenida Rebouças), onde só quem tem automóvel é que aproveita. Para mim, as prioridades serão as obras na periferia, que é onde o cobertor está curto".Ainda ao comentar as obras públicas, Erundina aproveitou para bater em seu outro adversário na corrida à prefeitura paulista, Paulo Maluf (PPB). "Quando eu fui prefeita de São Paulo, eu poderia ter feito túneis lindos e maravilhosos e eleito meu sucessor, mas não fiz, porque minhas prioridades eram outras. Aí o outro foi lá e fez, com obras superfaturadas. Não é à toa que dizem que ele tem dinheiro no exterior", sugeriu. Erundina voltou a disparar contra Maluf quando questionada sobre a morte do paciente visitado pelo candidato no CTI de uma hospital paulistano. "Isso mostra o que ele é capaz de fazer para garantir seus interesses eleitorais. É um absurdo, é inaceitável e não podemos deixar que o Conselho Regional de Medicina (CRM) deixe isto impune", cobrou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.