Eros Grau diz que sai do TSE para se dedicar ao STF

O ministro Eros Grau alegou que deixa o cargo de ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para dedicar mais tempo à cadeira de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Corte que ele também integra. Eros Grau enviou hoje uma carta ao presidente do TSE, Carlos Ayres Britto, para comunicar a decisão. No entanto, colegas e amigos do ministro, que já esperavam sua renúncia, afirmam que ele está cansado e quer se aposentar logo, inclusive do STF. Ele será substituído pelo ministro Ricardo Lewandowski.

MARIÂNGELA GALLUCCI, Agencia Estado

05 de maio de 2009 | 20h45

Com 68 anos de idade, Eros Grau terá de se aposentar compulsoriamente em agosto de 2010, quando completará 70 anos. Essa é a idade limite no Brasil para que uma pessoa trabalhe como funcionário público. Do TSE, ele deveria sair em abril do ano que vem, quando terminaria o mandato. Mas não é só do TSE que o ministro está desistindo. Recentemente, ele pediu aposentadoria do cargo de professor da faculdade de direito da Universidade de São Paulo (USP).

Indicado em 2004 para o STF pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Eros Grau passou a atuar em abril de 2008 no TSE, Corte que é integrada por três ministros do Supremo, dois do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e dois advogados. O TSE tem sessões noturnas que nos tempos de eleições se estendem facilmente até a madrugada. O tribunal já está desfalcado de um ministro. O vice-presidente, Joaquim Barbosa, pediu licença de 90 dias em fevereiro alegando problemas de saúde.

Mais conteúdo sobre:
TSEEros Graurenúncia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.