'Era Agaciel' multiplicou cargos e benesses no Senado

No dia 4 de março, os corredores e salões do Senado Federal foram palco de uma cena inusitada: aos gritos e enroscados em faixas e cartazes, cerca de 200 funcionários levaram às lágrimas um servidor demissionário com um coro: ?Volta Agaciel?. O foco da manifestação era o diretor-geral Agaciel Maia, 51 anos, 32 deles trabalhando no Senado.

AE, Agencia Estado

22 de março de 2009 | 08h45

Passados 14 anos no comando da direção-geral, ele transformou a Casa em uma máquina de multiplicar cargos. Foi por isso que saiu aclamado por 104 chefes de serviço, subsecretários e coordenadores que agraciou com status de diretor, aumento salarial e vaga na garagem do prédio.

As diretorias de fachada criadas por Agaciel foram o estopim de um escândalo que começa a traduzir em números o inchaço concebido com o consentimento dos senadores que presidiram o Congresso nos últimos anos, especialmente a partir do segundo mandato do atual presidente José Sarney (PMDB-AP), no início de 2003.

Antigos dirigentes da Casa atestam que poderes da primeira-secretaria foram absorvidos pela diretoria-geral e que teria começado aí a ?era Agaciel?, traduzida por estes números: 9.400 funcionários, sendo 1.700 efetivos, 1.300 inativos, 3.400 terceirizados e outros 3.000 comissionados. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
SenadoAgaciel Maia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.