Equipes de jornalistas da Globo foram hostilizadas por militantes pró-Lula

Integrantes de movimentos sociais gritaram palavras contra a imprensa durante transmissão ao vivo e tentaram intimidar profissionais que trabalhavam perto da sede do PT 

Gabriela Caesar, O Estado de S.Paulo

04 de março de 2016 | 16h12

Ao menos duas equipes da emissora Globonews foram hostilizadas por militantes ligados ao PT enquanto cobriam a 24ª etapa da Operação Lava Jato nesta sexta-feira, 4. Na manhã, integrantes de movimentos sociais fizeram coro contra a presença de jornalistas da emissora durante uma transmissão ao vivo. A equipe aguardava o fim do depoimento de Lula, no Aeroporto de Congonhas, na zona sul da capital. 

Pouco depois, outra equipe trabalhava perto da sede do PT, na região central, quando militantes começaram a gritar "Vão embora! É da Globo. É da Globonews". O grupo vestia blusa de movimentos sociais. Uma das pessoas carregava uma bandeira do PT.

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo enviou uma nota na qual afirma ser contra manifestações que prejudiquem o trabalho da imprensa. "Ainda não houve um caso de agressão física ou verbal contra jornalistas, de conhecimento do sindicato, que não tenha sido rechaçada veementemente", diz o texto. "O sindicato distingue as agressões contra jornalistas das que são dirigidas contra as empresas de comunicação."

Na tarde desta sexta-feira, 4, o sindicato comunicou que "abre a sede da entidade em apoio à convocatória da Central Única dos Trabalhadores (CUT)" para organizar uma "frente ampla em defesa de Lula". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.