Diego Zanchetta/Estadão
Diego Zanchetta/Estadão

Equipe dos EUA investiga queda de avião de Eduardo Campos

Técnicos estrangeiros participam da apuração da tragédia que envolve aeronave norte-americana Cessna

Danielle Chaves, Diego Zanchetta e Laís Alegretti, O Estado de S. Paulo

16 de agosto de 2014 | 10h49

Atualizado às 12h15

BRASÍLIA - Uma equipe do Conselho Nacional de Segurança em Transportes (NTSB, na sigla em inglês) dos Estados Unidos foi enviada ao Brasil para ajudar na investigação das causas do acidente que matou o candidato à presidência Eduardo Campos e outras seis pessoas na última quarta-feira, 13. Segundo o NTSB, o investigador Tim Monville, que foi designado para o caso, chegou a Santos na sexta-feira, 15.

Cinco especialistas do Canadá e dos Estados Unidos chegaram a Brasília e, neste sábado, já trabalham nas investigações junto com o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa). Segundo a Força Aérea Brasileira (FAB), é uma determinação internacional que, durante a investigação de um acidente aéreo, devem comparecer os representantes interessados em saber as causas do ocorrido - como a agência de investigação do país fabricante da aeronave e do país fabricante do motor.

Estão no Brasil um representante da NTSB, que é a agência investigadora de acidentes dos Estados Unidos, o país fabricante da aeronave, além de um membro da Transportation Safety Board (TSB), a agência investigadora de acidentes do Canadá, o país fabricante do motor.

Também estão no Brasil um representante da empresa fabricante do motor, a canadense Pratt & Whitney, um representante do fabricante da aeronave, a americana Cessna, e a Federal Aviation Administration (FAA), que é o órgão regulador da aviação civil dos Estados Unidos - o equivalente à brasileira Agência Nacional de Aviação Civil. Segundo a FAB, a FAA tem interesse nas investigações porque há muitos aviões Cessna operando nos Estados Unidos

"Como o acidente envolve um avião fabricado nos EUA, sob as regras do Anexo 13 da Organização Internacional de Aviação Civil, o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) do Brasil notificou o NTSB", afirmou o órgão norte-americano em comunicado.

O NTSB destacou que a investigação está sendo conduzida pelo Cenipa e que o órgão brasileiro vai divulgar todas as informações relacionadas ao caso. Monville está acompanhado por consultores técnicos da Administração Federal de Aviação dos EUA e da Cessna Aircraft Company, fabricante do jato Cessna 560XL.

4º dia de buscas. A Polícia Federal usa desde as 6h deste sábado drones e robôs para tentar fazer um mapeamento da área da tragédia onde caiu. Peritos do Cenipa e equipes do Corpo de Bombeiros também retomaram o quarto dia de buscas. O principal foco é tentar localizar peças da aeronave que ainda faltam para montar "o quebra-cabeça" do acidente.

As peças do avião estão sendo encaminhadas à Base Aérea do Guarujá, onde ele será remontado. "Quase toda aeronave já foi remontada, mas ainda faltam algumas peças importantes. Por isso a necessidade de se manter as buscas", afirmou o tenente-coronel da PM Oliveira Cardoso.

Dezenas de santistas passam neste sábado pelo local da tragédia com o ex-governador Eduardo Campos, no Boqueirão, bairro residencial de Santos. Mais três ruas foram interditadas pela Polícia Federal para o início do quarto dia de buscas por peças do avião e fragmentos de corpos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.