Entrevista: ‘Estratégia de nacionalizar deu certo’

Coordenador da campanha de Fernando Haddad, Paulo Fiorilo, fala sobre resultado da estratégia de nacionalizar conteúdos que alavancam candidato

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

29 de setembro de 2016 | 08h08

Como explica as mudanças nas pesquisas?

Especialmente nas regiões periféricas, o eleitor começou a perceber quem de fato está ao lado dele. Isso fez com que Marta esvaziasse, porque ela mudou de lado, de partido e de postura. Por isso, Haddad começou a crescer nas periferias, onde dobrou as intenções de voto.

A estratégia de nacionalizar a campanha deu certo?

A estratégia deu certo, pois vinculou questões do dia a dia, como jornada de trabalho e Previdência. A relação de Marta com Michel Temer e Gilberto Kassab tem um peso muito grande. O próprio pessoal dela reconhece.

Haddad gastou boa parte do tempo de TV e rádio para criticar a Marta. Por que não o Celso Russomanno ou João Doria?

Foi uma decisão de estratégia, de mostrar quem estava com Marta, com quem ela está.

Marta tem chance de atrair eleitorado do PT e de esquerda?

Ela está de olho no eleitorado da periferia, com quem tinha diálogo. Marta começou a bater no Haddad agora, mas não sei se vai dar tempo. Só tem mais dois programas e acabou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.