'Entrei e saí pela porta da frente', afirma Lula

Ex-presidente enaltece seu governo e diz em comício que PT trabalha para os pobres

José Maria Tomazela - O Estado de S.Paulo,

23 de outubro de 2012 | 03h00

No dia em que o Supremo Tribunal Federal concluiu a fase de votação dos crimes do mensalão e apontou o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu como um "chefe de quadrilha", o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou em Guarulhos que entrou e saiu do Palácio do Planalto pela "porta da frente".

"Homem que é eleito com o número 13 não sai pela porta do fundo nem de cabeça baixa. Antes de eu chegar à Presidência, o presidente entrava pela porta do fundo, mas entrei e saí pela frente", afirmou Lula durante discurso realizado na noite de ontem na cidade da Grande São Paulo.

Lula enalteceu sua passagem pela Presidência da República, entre 2003 e 2010. Dirigindo-se ao prefeito da cidade, o petista Sebastião Almeida, candidato à reeleição, disse que o PT não se preocupa apenas em ganhar eleição, mas também em fazer um governo pensando nos pobres. "Vamos mostrar que não temos um partido só para ganhar eleição, mas um partido para mudar a história desse País", afirmou.

Lula lembrou a infância pobre para dizer que aprendeu economia com a mãe e a economia que usou no seu governo não é aquela aprendida na universidade. Ele se referiu à publicação do IBGE segundo a qual em seu governo os pobres tiveram, em oito anos, aumento de quase 90% e os ricos, de 10%. "O rico não ficou mais pobre, mas o pobre ficou um pouco melhor de vida nesse País."

Ficha Limpa. Lula também criticou duramente o adversário local do PT, o tucano Carlos Roberto, acusado de descontar e não recolher o seguro social dos trabalhadores à Previdência. O candidato, que é empresário, nega publicamente a acusação. "Se é verdade o que disseram do outro candidato, que ele desconta o INSS da Previdência e não paga, isso é crime de apropriação indébita e pelo que estou sabendo, ficha suja não poderia concorrer à eleição", disse Lula.

Segundo ele, independente do que a justiça decidir, "a justiça do povo vai ser feita dia 28". O ex-presidente voltou a enaltecer suas realizações no governo, dizendo ter feito em oito anos mais que os outros presidentes em cem, e saiu em defesa do PT.

O ex-presidente fez comício num palanque, na Vila São João, em que estavam também deputados, prefeitos e líderes do partido, como o deputado e presidente estadual do PT, Edinho Silva, e o secretário nacional de Organização, Paulo Frateschi, além do senador Eduardo Suplicy (PT-SP). O senador converteu-se em atração da noite ao cantar "Blowin' in the Wind", de Bob Dylan.

Mais cedo, Lula participou de comício em Jundiaí, no interior paulista, onde o candidato do aliado PC do B, Pedro Bigardi, enfrenta o candidato do PSDB, Luiz Fernando Machado, que representa uma hegemonia tucana de mais de 20 anos na cidade e tem apoio direto do governador Geraldo Alckmin (PSDB). O ex-presidente citou o candidato em São Paulo, Fernando Haddad.

"Vocês estão vendo a campanha que estão fazendo contra o Haddad. É por isso que o Haddad vai ganhar também. Porque o povo brasileiro e o povo de Jundiaí estão com o saco cheio de mentiras, com o saco cheio de candidato que não tem o que falar e começa a falar mal do outro", afirmou Lula.

Adversário de Haddad, José Serra (PSDB) tem centrado ataques em duas frentes: a primeira é o julgamento do mensalão no Supremo; a segunda é dizer que Haddad acabará com as parcerias da Prefeitura com o setor privado na área de saúde.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2012LulaSerraHaddad

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.