Entidades se abrigam em prédios suntuosos

Confederação Nacional do Comércio, por exemplo, é proprietária de edifício de 18 andares

O Estadao de S.Paulo

10 de novembro de 2007 | 00h00

Dinheiro é o que não falta para as confederações, sejam de patrões, sejam de trabalhadores. Isso pode ser visto pela exuberância de suas sedes, sempre em edifícios próprios, nas áreas mais valorizadas de Brasília.A Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio (CNTC), de Antonio Alves de Almeida, o Almeidinha, por exemplo, fica em um terreno de 20 mil metros quadrados, no início da Asa Sul. Atrás da sede, a entidade levantou o maior centro de eventos de Brasília.A Confederação Nacional do Comércio (CNC) é proprietária de um edifício - que leva o nome da entidade - de 18 andares, no Setor Bancário Norte (SBN), que tem a fachada toda em vidro azul. A CNC destinou para sua administração os quatro últimos andares. Aluga o restante para entidades, principalmente associações estaduais, que montam as suas representações em Brasília. De acordo com a avaliação de um corretor de imóveis, um edifício daquele vale cerca de R$ 400 milhões.Mais modesto, o edifício-sede da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Indústria (CNTI) fica no início da Asa Norte, na Avenida W-3 Norte. Tem quatro andares, garagem subterrânea, circuito fechado de televisão.A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação e Cultura (Conteec) tem a sua sede no Setor de Autarquias Sul (SAS), onde também fica a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e o famoso "Máscara Negra", a sede da Polícia Federal.No prédio da Conteec há um auditório, cinco salas, uma sala de reunião e garagem para quatro carros. A confederação conta com dois veículos, um Gol 2006 e um Santana 1993.A Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) alugou a terceiros o seu prédio na Avenida W-3 Norte e construiu uma sede muito maior, no Setor de Mansões Park Way, a 15 quilômetros do Congresso. Desde 2004, ocupa um prédio com 32 salas, além de auditórios.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.