Divulgação/Congresso Nacional
Divulgação/Congresso Nacional

Entidades repudiam agressão verbal de deputada do PSL a jornalistas

Questionada sobre a cobrança de diárias da Assembleia Legislativa para o lançamento do seu livro, a deputada estadual Ana Caroline Campagnolo (PSL) afirmou que ‘jornalistas são canalhas’

Bianca Gomes, O Estado de S.Paulo

05 de abril de 2019 | 19h05

Entidades repudiaram nesta sexta-feira, 5, a agressão verbal feita pela deputada estadual Ana Caroline Campagnolo (PSL) contra o jornalista Altair Magagnin, do jornal Notícias do Dia, e toda a categoria. Questionada sobre a cobrança de diárias da Assembleia Legislativa de Santa Catarina em dias que coincidem com o lançamento do seu livro Feminismo: Perversão e Subversão, a deputada afirmou, durante a entrevista, que ‘jornalistas são canalhas’. Ela ainda disse que se questiona se os profissionais da imprensa “têm problemas cognitivos”. Ouça a entrevista completa aqui.

Em nota, o Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Santa Catarina (SJSC) e a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) afirmaram que o episódio “constitui-se num fragoroso ato de cerceamento ao livre exercício da profissão além de flagrante tentativa de intimidação contra o jornalista”. O texto publicado diz ainda que não é a primeira vez que a parlamentar se mostra “despreparada para o convívio com pilares de um processo democrático, como a liberdade de imprensa e o respeito aos jornalistas”.

A nota se refere ao episódio em que a deputada pediu para alunos gravarem falas de professores com “manifestações político-partidárias ou ideológicas que humilhem ou ofendam sua liberdade de crença e consciência”. Na publicação em seu perfil na rede social Facebook, ela passava um celular para fazer a denúncia, orientando que fosse descrito o nome do professor, da escola e da cidade. O canal foi fechado pelo juiz Giuliano Ziembowicz, da Vara da Infância e da Juventude de Florianópolis, e depois aberto pela desembargadora Maria do Rocio Luz Santa Ritta, de Santa Catarina. Em fevereiro, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin,  suspendeu a decisão da desembargadora.

A Associação Catarinense de Emissoras de Rádio e Televisão  (Acaert) também manifestou repúdio à atitude da deputada do PSL. Em nota, a associação afirmou que “além das hostilidades proferidas de forma genérica, a deputada também agrediu verbalmente o profissional que realizava a entrevista”. O texto citou como exemplo o momento em que Ana Caroline afirma que está começando a desconfiar da capacidade mental, e diz se Altair Magagnin é “um jornalista bunda mole ou não”.

Para a Acaert, são graves as agressões verbais sofridas pelo profissional. “Destaca ainda que os jornalistas têm como missão informar a sociedade sobre os assuntos de interesse público.”

A Associação Catarinense de Imprensa (ACI) demonstrou preocupação ao que classificou como “mais um episódio lamentável envolvendo a deputada Ana Campagnolo e um jornalista a quem ela novamente se dirigiu em tom desrespeitoso”. Para a Associação, ao atacar o trabalho do repórter, “a parlamentar demonstra desconhecer o papel da imprensa e afronta a todos os profissionais que diariamente exercem seu ofício”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.