Entidades fazem passeata contra discriminação racial

O PT e a Central Única dos Trabalhadores (CUT) do Distrito Federal, entidades do movimento negro e associações de moradores promoveram uma passeata em Brazlândia, cidade a 40 quilômetros de Brasília, em represália à declaração do governador do Distrito Federal, Joaquim Roriz, que chamou um homem negro de "crioulo petista". Os integrantes da passeata pretendiam distribuir rosas brancas entre os moradores de Brazlândia, cidade em que Roriz fazia o comício quando xingou o manifestante. "Este ato é um contraponto à atitude de Roriz: enquanto ele prega a violência, nós queremos a paz", disse o presidente do PT do Distrito Federal, Wilmar Lacerda. "Enquanto eles xingam, nós vamos entregar rosas", afirmou o deputado Geraldo Magela (PT-DF), adversário de Roriz nas eleições para o governo de Brasília. A expectativa dos organizadores da passeata era de reunir cerca de 200 pessoas. Segundo a assessoria do governador, Roriz fez apenas "uma brincadeira" ao chamar Marinalvo Nascimento de "crioulo petista". A assessoria divulgou um diálogo entre Roriz e Marinalvo, no qual manifestante diz que o governador "foi muito carinhoso comigo, me abraçou, pediu desculpa". Marinalvo afirma ainda que Roriz foi mal interpretado e que é eleitor do governador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.