Entidades criticam declarações de Quintão

O governador de Roraima, Neudo Campos (PPB), concorda com o ministro Geraldo Quintão (Defesa) que classificou como "um erro" a decisão de criar a reserva ianomâmi com 8 milhões de hectares pelo ex-presidente Fernando Collor. "Roraima já tem 43% da área demarcada para os índios e a Funai quer chegar a 57%, o que torna o Estado inviável", declarou. "É preciso rever a forma como são feitas as demarcações", disse, acentuando que não é contra as reservas.Segundo o governador, não houve critério para a demarcação. "Eles olharam o mapa e traçaram", comentou ao citar que a região onde passa a BR-210, por exemplo, não tem nenhum vestígio de índio e foi considerada reserva. Campos defendeu que o Congresso discuta a questão.O presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), Glênio Alvarez, afirmou, porém, que esse assunto "não passa" pelo governo. As declarações de Quintão causaram repercussão negativa dentro e fora do governo. "Para a Funai, a terra ianomâmi está demarcada, homologada e registrada", disse o presidente da Funai, após reunião com o ministro da Justiça, José Gregori, para discutir problemas em aldeias indígenas.Mais informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.