Entidade repudia assédio a jornalistas após ato em SP

A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) repudiou nesta segunda-feira a "incitação à violência e o assédio" sofridos por jornalistas que trabalharam na cobertura de um protesto pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff, no sábado, em São Paulo. Parte dos manifestantes defendeu intervenção militar.

Estadão Conteúdo

03 de novembro de 2014 | 20h22

Os repórteres foram acusados de partidarismo e tiveram expostos seus perfis nas redes sociais, "levando-os a serem difamados e receberem ameaças de violência", observa a Abraji. "Ao criar um clima de hostilidade em relação ao trabalho da imprensa, atinge todos os profissionais e, em última instância, toda a sociedade", diz o texto. "A Abraji condena toda e qualquer forma de violência contra jornalistas e cobra a rápida identificação e punição dos responsáveis pelo assédio e pelas ameaças contra os repórteres. A omissão nesse e em casos semelhantes coloca em risco o direito à informação, essencial a uma democracia."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.